Os Genivaldos de Maceió

Error message

  • Deprecated function: The each() function is deprecated. This message will be suppressed on further calls in _menu_load_objects() (line 579 of /var/www/drupal-7.x/includes/menu.inc).
  • Deprecated function: implode(): Passing glue string after array is deprecated. Swap the parameters in drupal_get_feeds() (line 394 of /var/www/drupal-7.x/includes/common.inc).
Published by Anonymous (not verified) on Sat, 28/05/2022 - 6:00am in

Tags 

Uncategorized

Genivaldo de Jesus Santos foi cruelmente assassinado dentro de uma viatura da Polícia Rodoviária Federal transformada em câmara de gás pelos próprios policiais. Sabemos disso graças a um vídeo que registrou toda a ação em Umbaúba, cidade do litoral sul de Sergipe. A 370 km dali, em Maceió, capital de Alagoas, os familiares de Davi da Silva e Jonas Seixas vivem um drama similar ao dos parentes de Genivaldo. Os alagoanos também são homens negros vítimas de abordagens policiais. A diferença é que, depois delas, eles simplesmente desapareceram.

Davi tinha apenas 17 anos quando sumiu, em 2014. Segundo uma testemunha, que chegou a viver sob proteção do estado mas foi assassinada a tiros e pedradas logo que deixou o programa, o jovem era gago e teve uma crise de riso quando uma policial tropeçou e quase caiu durante uma abordagem em um bar. Irritados, os policiais questionaram o adolescente, mas ele não conseguia se explicar. Os PMs, então, o colocaram em uma viatura. Ele nunca mais foi visto.

O processo criminal está parado atualmente e os quatro policiais envolvidos no caso – Eudecir Gomes de Lima, Carlos Eduardo Ferreira dos Santos, Victor Rafael Martins da Silva e Nayara Silva de Andrade – permanecem soltos enquanto aguardam julgamento no Tribunal do Júri. Eles são acusados de sequestrar, torturar e matar o adolescente.

O servente de pedreiro Jonas está desaparecido desde que foi alvo de uma ação policial em 2021, quando tinha 32 anos. Na última vez em que foi visto, em 9 de outubro, o homem chegava em casa quando os policiais o abordaram e o levaram em uma viatura. Segundo a mãe Claudineide Seixas, “jogaram ele na mala [da viatura] com spray de pimenta” – algo parecido com o que o mundo todo viu no caso de Genivaldo.

Nove dias depois do desaparecimento, a família recebeu uma intimação para que Jonas comparecesse à delegacia. Sim, ele teria que aparecer para depor sobre seu próprio sumiço. Os policiais alegaram que houve um erro de digitação e que a intimação era para Claudineide.

Fabiano Pituba Pereira, Filipe Nunes da Silva, Jardson Chaves Costa, João Victor Carminha e Tiago Azevedo Lima dizem ter levado Jonas para uma averiguação, mas que o liberaram com vida. Acusados de sequestro, tortura, homicídio e ocultação do cadáver, os policiais estão presos preventivamente e esperam julgamento no Tribunal do Júri.

Como cantou O Rappa, “todo camburão tem um pouco de navio negreiro”, seja da PM ou da PRF, em Maceió, em Umbaúba ou na Vila Cruzeiro.

The post Os Genivaldos de Maceió appeared first on The Intercept.