Uncategorized

Error message

Deprecated function: The each() function is deprecated. This message will be suppressed on further calls in _menu_load_objects() (line 579 of /var/www/drupal-7.x/includes/menu.inc).

Retail sales, homebuilder sentiment, housing starts

Published by Anonymous (not verified) on Thu, 19/05/2022 - 6:10am in

Tags 

Uncategorized

Not growing when adjusted for inflation:

Down but still high vs historical data:

Trend still intact:

 

 

 

Trend still intact:

Share

The post Retail sales, homebuilder sentiment, housing starts appeared first on Mosler Economics / Modern Monetary Theory.

Hmmmm

Published by Anonymous (not verified) on Thu, 19/05/2022 - 5:30am in

Tags 

Uncategorized

A pattern emerges

With two exceptions, all of Trump’s choices, win or lose, get around 32% of the Republican primary vote.

Sadly, that doesn’t mean the vast majority of the rest of them won’t docilely fall in line and vote for whatever GOPer wins. They crave power more than anything. But it does indicate that Trump’s clout in primary elections is only applicable to about 30% of the base.

Not that it matters in the long run. That 30% is the tail that wags the dog. They will dictate much of the general election campaign and will ensure that whoever wins does not betray the MAGA cult. They are these guys and they scare the hell out of everyone:

Email
Twitter
Facebook

Even in Wyoming there are places where bigotry isn’t welcome

Published by Anonymous (not verified) on Thu, 19/05/2022 - 4:00am in

Tags 

Uncategorized

Young people aren’t like the rest of them

It looks like this Senator doesn’t know how to read a room:

Sen. Cynthia Lummis (R-Wyo.) apologized on Monday after she was booed by a crowd during a commencement address at the University of Wyoming for saying it is a “fundamental scientific truth” that there are only “two sexes.”

Lummis said “it was never my intention to make anyone feel un-welcomed or disrespected,” and apologized to those who were made to feel that way, according to Oil City News.

“My reference to the existence of two sexes was intended to highlight the times in which we find ourselves, times in which the metric of biological sex is under debate with potential implications for the shared Wyoming value of equality,” the statement read.

During the commencement address on Sunday, Lummis said constitutional rights were under attack in the U.S. and “even fundamental scientific truths such as the existence of two sexes, male and female, are subject to challenge these days.”

The remark immediately drew a loud chorus of boos from the crowd, as Lummis paused for an awkward smile.

“You know, I — ” Lummis said, then waved her hand dismissively. “I challenge those of you. I’m not making a comment on the fact that there are people who transition between sexes.”

Lummis then moved on to another topic, ignoring repeated boos from the crowd.

Where did she think she was? CPAC? Hasn’t she heard that universities are hotbeds of tolerance and diversity? Maybe she thought Wyoming youth were different.

They’re not.

I fully expect the GOP Governor will push a DeSantis style ban on discussions of trans rights — maybe even at the University. That’s how they roll.

Email
Twitter
Facebook

In economics value-neutrality is an illusion

Published by Anonymous (not verified) on Thu, 19/05/2022 - 1:26am in

Tags 

Uncategorized

from Peter Söderbaum I am a professor emeritus with many years of experience of the functioning of university departments of economics and other social science disciplines, such as business management. As has already been made clear I consider the close-to-monopoly position of neoclassical theory at university departments of economics as a major problem in relation […]

Uncommon candor

Published by Anonymous (not verified) on Thu, 19/05/2022 - 12:30am in

Tags 

Uncategorized

Russian military affairs commentator speaks unfiltered

An off-script moment from Russian TV reveals what we all knew. All is not well with Vladimir Putin’s “special military operation” in Ukraine. Russia faces a million armed and motivated Ukrainians ready to die for their country. They are supplied with modern arms by NATO countries (with more coming) backed by 25 times the Russian Federation’s the economic output. Time is not on Putin’s side so long as Ukrainians are willing to fight Russian conscripts.

The situation over time will only get worse. Do not take “information tranquilizers,” warns Mikhail Khodaryonok:

“The main deficiency of our military-political position is that we are in full geopolitical solitude and — however we don’t want to admit it — practically the whole world is against us … and we need to get out of this situation,” Khodaryonok continued on the talk show, with the other studio guests appearing dumbstruck by his outspoken critique.

A bemused Josh Marshall notes (TPM):

But the best part is about halfway through he says, no, not even Rand Paul can save us. Really! He doesn’t refer to Paul by name but he notes that the Lend-Lease type program is finally getting underway, marrying unlimited troops with unlimited weaponry “and even the resistance of a single senator will be overcome quickly.” That single senator is Rand Paul, who he is so far blocking passage of the bill.

Paul’s opposition will quickly be overcome, predicts Khodaryonok.

(h/t CO)

● ● ● ● ● ● ● ●

Request a copy of For The Win, 4th Edition, my free, countywide get-out-the-vote planning guide for county committees at ForTheWin.us.
If in a position to Play to win in 2022 (see post first), contact tpostsully at gmail dot com.

Email
Twitter
Facebook

Be careful what you wish for

Published by Anonymous (not verified) on Wed, 18/05/2022 - 11:00pm in

Tags 

Uncategorized

NC Democrats got what they wanted Tuesday night, but so did Republicans

Rep. Madison Cawthorn (R-N.C.) is toast. Western North Carolina’s bad-boy Republican congressman lost his first reelection bid to State Senator Chuck Edwards. Edwards decisively defeated Cawthorn in the Republican primary by 18 points in their shared home county of Henderson, the most Republican large county in NC-11. Edwards topped Cawthorn by 11 points in neighboring Buncombe County, the largest in the district. Edwards won the Republican nomination Tuesday night by 33.4 to 31.9.

A noticeable (though undecisive) fraction of Democrats switched registration to UNAffiliated for the emotional satisfaction of voting against Cawthorn in the GOP primary.

Connected Republicans hated Cawthorn more. They could tolerate the 26-year-old’s multiple traffic and weapons charges, crassness, allegations of sexual misconduct, financial mismanagement in office, and possible insider trading. What they could not abide was the dude going public with lurid stories of D.C. colleagues’ cocaine-fueled orgies. (Has he ever denied attending?) That was Republicans’ red line of political death. They unleashed a (telling?) fury of political oppo against the freshman “embarrassment.” Last night the party delivered the coup de grâce.

Therein lies the problem.

Cawthorn is to Donald Trump as Edwards is to Florida Governor Ron DeSantis. Comparatively, someone suggested, Edwards is “All the MAGA with half the frat!” Cawthorn was a joke. Edwards is as far right, if not more, just not as flamboyant about it. And worse. He can actually do damage.

Democrats got what they wanted last night.

Cawthorn was hissing air like a slowly deflating baloon. Had Cawthorn won the nomination, Democrats with the right candidate might have had a shot, if a long one, at retaking the seat. Now that hill is even steeper. Democrats who have served in the state legislature with Edwards say he will be a serious threat in Congress.

James Fallows is worried too. There is a “gentleman’s agreement” prevalent in the press not to speak of the unspeakable. I described it Tuesday as a focus on the jockeys and not the horses. In this case, the horse Republicans are riding is the anti-democracy, MAGA radicalism of what was once a conservative party:

Trumpist candidates for state offices across the nation are promising or threatening to take election results into their own hands in 2024, if they gain power. And every political-handicapping article presenting this as midterm politics-as-usual essentially looks the other way. As Margaret Sullivan eloquently argued here.

“Nice” people still are not talking about just where the MAGA candidates across the country mean to take this country. We’d rather pretend this is all politics-as-usual than consider the existential threat hanging over our republic.

● ● ● ● ● ● ● ●

Request a copy of For The Win, 4th Edition, my free, countywide get-out-the-vote planning guide for county committees at ForTheWin.us.
If in a position to Play to win in 2022 (see post first), contact tpostsully at gmail dot com.

Email
Twitter
Facebook

Por que os militares se metem quando e como querem na política – e sem medo de punição

Published by Anonymous (not verified) on Wed, 18/05/2022 - 8:00pm in

Tags 

Uncategorized

A tranquilidade com que militares das Forças Armadas ameaçam as eleições e a eventual sucessão de Jair Bolsonaro são em parte culpa das gerações de políticos brasileiros que exerceram mandatos de 1988 aos dias de hoje. Sobre eles, pesa a responsabilidade de não implementar mecanismos legais mais avançados para o controle civil de Exército, Marinha e Aeronáutica. E de não usarem adequadamente as ferramentas já disponíveis, como o Ministério da Defesa e as comissões de Defesa Nacional da Câmara dos Deputados e do Senado.

Essa é a conclusão inevitável das entrevistas que fiz com quatro estudiosos do assunto, os professores Marina Vitelli, Juliano Cortinhas, Lucas Rezende e Stephen Saideman, além da análise da composição do ministério e da leitura dos relatórios de atividades da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara e do Senado publicados entre 2018 e 2021. O quadro é desolador, mas explica como pudemos chegar aonde estamos.

O Ministério da Defesa, o MD, criado em 1999 por Fernando Henrique Cardoso com a ambição de colocar o Brasil no mesmo patamar da maioria das democracias maduras, nas quais os civis definem qual o papel a ser exercido pelos militares, nunca funcionou a contento. Comandada por civis nos governos de FHC, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, com Michel Temer a pasta se tornou mais um feudo dos fardados, consolidado por Bolsonaro. Nas comissões legislativas de controle, o que se vê são políticos agindo quase que o tempo todo como lobistas das Forças Armadas que deveriam fiscalizar.

“Nas democracias e no estado de direito, autoridades com legitimidade decidem sobre as Forças Armadas, e os militares devem obediência a essas autoridades”, diz a argentina Marina Vitelli, professora de Relações Internacionais da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, coordenadora adjunta do Observatório Brasileiro de Defesa e Forças Armadas e pesquisadora do Grupo de Estudos de Defesa e Segurança Internacional.

“No Brasil, tanto a legislação quanto a prática das relações entre civis e militares são definidas pelas próprias Forças Armadas. Todas as leis que temos sobre elas tiveram que passar pela aprovação dos próprios militares”, ela explica.

Não quer dizer, porém, que não seja possível usar o que já existe para colocar os fardados em seus devidos lugares – os quartéis, não a política. Mas é preciso querer. Temer, um presidente civil, entregou de mão beijada, em fevereiro de 2018, o Ministério da Defesa ao general Joaquim Silva e Luna – dias após decretar intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro com o general Walter Braga Netto no comando. Silva e Luna viria a presidir a Itaipu Binacional e a Petrobras no governo Jair Bolsonaro. Sob o capitão reformado, três generais do Exército se sucederam no comando da pasta – entre eles, Braga Netto. Desde então, ela nunca mais voltou aos civis.

“A situação brasileira é das piores. O Congresso não tem muita informação, poder ou mesmo interesse [em fiscalizar as Forças Armadas]”, afirma o canadense Stephen Saideman. Professor da Universidade de Carleton, ele dirige a Rede Canadense sobre Defesa e Segurança e pesquisa o controle legislativo sobre as forças armadas em 16 democracias do mundo – EUA, Canadá, Austrália, Nova Zelândia, Japão, Coréia do Sul, Brasil, Chile, Reino Unido, França, Bélgica, Alemanha, Dinamarca, Finlândia, Noruega e Suécia.

“Governos que tinham condições políticas de avançar preferiram o apaziguamento, a acomodação, não criar atritos. E a mera possibilidade de surgirem atritos com os militares nas tentativas legítimas dos governos de ampliarem o controle civil prenuncia um problema que muitos varreram para debaixo do tapete”, avalia Vitelli. “Hoje, vemos as consequências”.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) comparecer à cerimônia de formatura do 76º Aniversário da Brigada de Infantaria Paraquedista, na Vila Militar, Rio de Janeiro.

Jair Bolsonaro e Hamilton Mourão no 76º aniversário da Brigada de Infantaria Paraquedista, no Rio: como durante toda a República, a farda segue a ameaçar a democracia.

Foto: Alexandre Brum/Agência Enquadrar/Folhapress

O artigo 142 nem é o pior

As dificuldades para colocar os militares brasileiros dentro dos quartéis começam já na Assembleia Nacional Constituinte que redigiu a Constituição outorgada em 1988. “O capítulo sobre as Forças Armadas foi todo escrito na caserna, com alguma contribuição do [futuro ministro da Justiça e da Defesa] Nelson Jobim”, afirma Lucas Rezende, doutor em Ciência Política, professor da Universidade Federal de Minas Gerais e integrante de um grupo de estudos sobre defesa, política e relações internacionais.

O capítulo mencionado por ele é o hoje célebre artigo 142, rotineiramente citado por Jair Bolsonaro e seu séquito de generais de pijama e seguidores fanáticos como legitimador de uma paradoxal “intervenção militar constitucional”. Ainda que em uma interpretação elástica, o artigo dá às Forças Armadas a prerrogativa de atuar em solo brasileiro na “garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem”.

“O artigo 142 incorre num erro fundamental. A Constituição tinha de dizer mais sobre as funções das Forças Armadas, relacionando-as com a defesa externa. O termo não aparece de forma tão evidente quanto a garantia da lei e da ordem. E o ideal é que as forças não atuem no país em qualquer situação, salvo situações climáticas ou catástrofes ambientais”, corrobora Juliano Cortinhas, professor do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília e coordenador do Grupo de Estudos e Pesquisas em Segurança Internacional.

Ao longo dos anos que se seguiram a 1988, sucessivas leis surgiram para regulamentar o artigo 142 e o papel dos militares na democracia. Mas elas são ainda piores que o texto constitucional, na opinião de Cortinhas, por perderem a chance de impor o controle efetivo dos civis em momentos favoráveis a isso.

A primeira delas, a lei complementar 97, de 1999, criou o Ministério da Defesa. A partir dali, em vez de terem cada um o próprio ministério, Exército, Marinha e Aeronáutica passaram a ser subordinados a um só ministro.

‘A esquerda, quando teve a chance, não impôs o controle civil sobre as Forças Armadas’.

A lei foi complementada anos depois por outras duas, a 117/2004 e a 136/2010, ambas durante o governo de Lula. A segunda e mais importante delas implantou o Livro Branco da Defesa Nacional, um instrumento de transparência destinado principalmente a demonstrar à comunidade internacional os interesses e capacidades do Brasil na área. Sua construção foi incentivada pela Organização dos Estados Americanos, a OEA.

Criado em 2012 por Dilma Rousseff, o grupo interministerial de trabalho do Livro Branco de Defesa Nacional, formado por integrantes de 11 diferentes setores do governo, foi fulminado por Bolsonaro com um decreto de 2019. Sobrou na história apenas o Ministério da Defesa – comandado por militares.

Por outro lado, a lei 136/2010 entregou a Exército, Marinha e Aeronáutica o papel de definirem os próprios orçamentos, em conjunto com o MD. “Nem deveria haver orçamento de cada força, mas da Defesa. E quem teria que elaborar a proposta é o ministério. As forças apenas se adequam ao que é definido e operam com o que lhes é entregue”, critica Cortinhas. “A esquerda, quando teve a chance, não impôs o controle civil”.

O general Sérgio Etchegoyen em declaração onde o ministro Raul Jungmann anuncia saída das tropas do Exército da Esplanada dos Ministérios, em Brasília.

O general Sérgio Etchegoyen, já ministro do Gabinete de Segurança Institucional recriado por Michel Temer: no comando do Estado-Maior do Exército, ele ajudou a articular a derrubada de Dilma Rousseff.

Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress

Um playground para os militares

As Forças Armadas são o braço armado do estado, mas não o ator político responsável por planejar e estabelecer a política de defesa nacional. Esse papel cabe, em democracias consolidadas, ao Ministério da Defesa, comandado por um civil nomeado pelo governo eleito.

“A política de defesa é uma política pública como qualquer outra. E, na maioria das democracias do mundo, os ministérios da defesa são os atores políticos responsáveis por planejá-la e estabelecê-la”, afirma Cortinhas. Para dar conta disso tudo, possuem grandes estruturas civis. Segundo o professor da UnB, os ministérios da defesa de países como a França e o Reino Unido têm mais de 60 mil funcionários civis cada um.

Já por aqui, o MD jamais funcionou como deveria. “Ele nunca cumpriu o papel de controle civil e foi se deteriorando com o tempo”, lamenta Cortinhas. A volta de um militar ao comando da Defesa se deu após o golpe parlamentar liderado por gente como Michel Temer e Eduardo Cunha, chancelado pelos comandantes geral e do Estado-Maior do Exército da época, Eduardo Villas Bôas e Sérgio Etchegoyen, respectivamente – a tal ponto que Etchegoyen se tornaria ministro do recriado Gabinete de Segurança Institucional, com gabinete no Palácio do Planalto, logo após a posse de Temer.

Segundo dados retirados do Portal de Acesso à Informação do governo federal, o ministério da Defesa tinha 450 servidores (supostamente) civis em fevereiro de 2022, ante 1.055 militares – os fardados nunca foram tantos desde 2019. O supostamente, no caso, se deve ao fato de não ser claro se entre os servidores civis não estão listados também militares da reserva – ou seja, aposentados. Eu fiz essa pergunta ao MD, via assessoria de imprensa. A pasta não se deu ao trabalho de responder.

“Cobramos há muito tempo a criação do cargo de analista de defesa para civis. Temos uma massa pensante capacitada para isso, civil e especializada em temas de defesa. Mas ele nunca foi criado”, afirma Rezende.

Se o Ministério da Defesa brasileiro é nanico e majoritariamente fardado na comparação com os de democracias maduras, o contraste se torna escandaloso quando olhamos para a relação entre o pessoal civil que define as políticas de defesa e as forças armadas que irão executá-las.

Ministério da Defesa brasileiro tem um civil a cada 756 militares nas Forças Armadas. Na França e no Reino Unido, a relação é de um para três.

“França e Grã Bretanha têm menos de 200 mil militares, cada, em suas Forças Armadas. O equilíbrio é completamente diverso do nosso”, diz Cortinhas. Segundo o Portal da Transparência, o Brasil tem mais de 340 mil militares na ativa nas três forças – apenas o Exército reúne mais de 198 mil. É claro que o Brasil tem um território muito maior, mas os dois países europeus foram campos de batalha nas duas guerras mundiais do século passado e têm armas nucleares – o que é revelador da prioridade que dão às políticas de defesa. Por aqui, a única guerra que ameaçou o território brasileiro foi a do Paraguai, encerrada em 1870. Desde então, o Exército, particularmente, passou a se dedicar prioritariamente a se meter na política, perpetrar golpes de estado e combater brasileiros por razões ideológicas.

Confrontando o tamanho das Forças Armadas e de pessoal no Ministério da Defesa, temos no Brasil 756 militares para cada servidor civil – isso considerando que não haja um único militar da reserva entre os 450 “civis” da pasta. Na França e no Reino Unido, a relação é de três militares a cada civil.

A disparidade fica mais clara quando se comparam os gastos militares do Brasil e de países membros da Organização do Tratado Atlântico Norte, a Otan. “O padrão Otan, para gastos com pessoal, é de um máximo de 40% [do orçamento da defesa]. O Brasil gasta mais de 80% com pessoal. Já para investimentos em equipamentos, tecnologia e manutenção, a Otan tem como ideal ao menos 20% do orçamento. O Brasil só usa cerca de 5% para isso. Porque as Forças Armadas são grandes demais, e muito mal equipadas”, enumera Cortinhas.

E, claro, também porque o oficialato brasileiro aprecia a boa vida. Graças a generosas medidas do governo Bolsonaro, os militares – principalmente os de alta patente – escaparam do arrocho salarial imposto aos servidores públicos civis. Os generais de pijama que patrocinam o governo do indisciplinado capitão reformado podem acumular vencimentos acima do teto constitucional: Luiz Eduardo Ramos, que correu para um cargo no Palácio do Planalto quando ainda era general de quatro estrelas da ativa, embolsa o equivalente a R$ 72,8 mil mensais. E a reforma da previdência militar patrocinada por Bolsonaro garantiu mamatas em série ao oficialato.

Tão preocupados com o próprio bolso, os militares usam mal o dinheiro destinado ao próprio trabalho. “O MD é o órgão que deveria dar racionalidade e efetividade operacional às Forças Armadas. No Brasil, cada uma planeja sozinha, cada uma faz compras [de armamentos e equipamentos] sozinha. Diferentes forças acabam por comprar equipamentos parecidos em processos de licitação separados”, Cortinhas explica.

Os ministros Anderson Torres (Justiça), Marcelo Queiroga (Saúde) e Walter Braga Netto (Defesa), acompanham os preparativos finais para a decolagem do avião da FAB que parte em missão humanitária de resgate aos brasileiros que estão refugiado na Polônia após fugirem da Ucrânia.

Walter Braga Netto, o general que comandou a intervenção no Rio, virou ministro e é o provável candidato a vice-presidente de Bolsonaro: ele passeou nas comissões de controle do Legislativo.

Foto: Mateus Bonomi/Agif/Folhapress

Me dá um dinheiro aí?

Os relatórios das comissões da Câmara dos Deputados e do Senado que deveriam fiscalizar as atividades das Forças Armadas brasileiras são um retrato acabado da subserviência que boa parte da classe política brasileira adota para se referir aos militares.

“Eu considero as duas comissões muito fracas e ineficazes”, avalia Stephen Saideman, da Universidade de Carleton. “Isso se deve ao hiperpresidencialismobrasileiro, ao foco dividido com as relações exteriores – que recebem muito mais atenção que a defesa – e ao fato de as comissões não terem acesso a informações sigilosas ou mesmo um poder real de influenciar [as políticas de defesa]”.

“As Forças Armadas, desde a transição [para a democracia, em 1985], têm assessorias parlamentares nas comissões que fazem um trabalho que deveria ser do Ministério da Defesa. Na prática, é uma espécie de lobby, feito obviamente com anuência dos parlamentares”, diz Marina Vitelli, da UFRRJ.

Comissões bem assessoradas por pessoal civil especializado em defesa existem, por exemplo, no parlamento argentino. Nos EUA, os comitês das Forças Armadas na Câmara e no Senado foram fundamentais para apurar crimes cometidos pelo Exército americano na guerra do Vietnã – o massacre de My Lai e os bombardeios em áreas civis no Vietnã do Norte e no Camboja – revelados pelo premiado repórter Seymour M. Hersh.

Por aqui, entretanto, a realidade é outra.

Comecemos pela Câmara. O relatório da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional, a Credn, sobre 2021 não traz uma única palavra sobre a infame ordem do dia na qual o então ministro da Defesa Walter Braga Netto afirmou que “no chamado movimento de 31 de março de 1964 as Forças Armadas acabaram assumindo a responsabilidade de pacificar o país, enfrentando os desgastes para reorganizá-lo e garantir as liberdades democráticas que hoje desfrutamos”.

Aécio Neves, eleito pelo PSDB de Minas Gerais e neto de Tancredo Neves, que era igualmente deputado federal em 1964 e defendeu até o dia do golpe militar o governo constitucional de João Goulart, não parece ter se incomodado com a visão de Braga Netto sobre a ditadura que fechou o Congresso Nacional por três vezes – em 1966, 1968 e 1977.

Relatórios ignoram ameaças fardadas à democracia e a celebração do golpe militar de 1964.

Pelo contrário: na carta de apresentação do relatório de 117 páginas, Aécio diz ter trabalhado “pela ampliação da interlocução da Credn com as Forças Armadas”. A julgar pelo teor do relatório, foi uma interlocução em que os deputados mais ouviram do que falaram, e resolveram simplesmente ignorar temas como a defesa da democracia e o repúdio ao golpe militar.

Menos de um mês após assinar a ordem do dia sobre o 31 de março, Braga Netto foi à comissão acompanhado dos então recém-nomeados  comandantes do Exército, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira (atual ministro da Defesa); da Marinha, Almir Garnier Santos; e da Aeronáutica, Carlos de Almeida Baptista Junior. Numa das maiores crises militares desde 1985, o antecessor de Braga Netto, o também general Fernando de Azevedo e Silva, havia sido demitido por Bolsonaro juntamente com os chefes das três forças. Mas, pelo conteúdo do relatório, nem a demissão nem a ordem do dia golpista foram tema da Credn – se foram, Aécio achou que não se tratava de informação relevante o suficiente para ser publicada.

Sem terem de responder a perguntas difíceis, Braga Netto e os comandantes impuseram a pauta sobre a “chamada operação Covid-19, que contou com o engajamento contínuo da três Forças, tanto nas ações de enfrentamento à pandemia quanto nas frentes de apoio às vítimas, sobretudo as que residem nos mais longínquos rincões do País”, nas palavras de Aécio. Dias antes, o Senado havia instalado a CPI da Covid, que fez sentar no banco dos réus o general de três estrelas da ativa Eduardo Pazuello, o ministro da Saúde durante boa parte da pandemia que já matou 665 mil brasileiros.

A docilidade se repetiu ao longo do ano. Em agosto, Braga Netto voltou à Credn para jurar que “o presidente da República não usa politicamente as Forças Armadas. Ponto. E não existe política partidária dentro dos quartéis”. O general, provável vice-presidente na chapa de Bolsonaro para a reeleição, também garantiu que o desfile de blindados da Marinha na Esplanada dos Ministérios no dia em que a Câmara dos Deputados votaria a emenda constitucional do voto impresso “não pode ser visto como ameaça das Forças Armadas ao estado de direito”. Pelo teor do relatório de atividades da comissão, não houve contestação às palavras de Braga Netto, nem censura de membros da comissão à pantomima fumacenta.

Pelo contrário, Braga Netto sentiu-se à vontade para pedir mais dinheiro para os seus, ao dizer que o Brasil ocupa a 85ª posição mundial no ranking de orçamentos de defesa em relação ao produto interno bruto, e para agradecer aos deputados pelas emendas destinadas à área.

Encontro com os novos comandantes das Forc?as Armadas o Almirante de Esquadra Almir Garnier Santos, o General de Exército Paulo Sergio Nogueira e o Tenente Brigadeiro do Ar Carlos de Almeida Baptista Junior.

O então comandante do Exército, Paulo Sergio Nogueira (depois promovido a ministro da Defesa), Braga Netto, Bolsonaro e os comandantes da Marinha, Almir Garnier Santos, e da Aeronáutica, Carlos de Almeida Baptista Junior: todos atentam contra a democracia em falas públicas.

Foto: Marcos Corrêa/PR

O panorama repetiu o de 2019, ano em que a comissão foi presidida por Eduardo Bolsonaro, do PSL paulista (em 2020, a comissão não realizou atividades por causa da pandemia). Um só requerimento com poder de causar algum incômodo aos militares foi aprovado no ano, mas não tratou do sobrevoo de Bolsonaro e Azevedo e Silva na manifestação que pediu o fechamento do Supremo Tribunal Federal e a volta do AI-5, mas da apreensão de 39 quilos de cocaína num avião da Força Aérea Brasileira na Espanha.

Em 2018, o relatório da Credn, presidida na época pelo deputado Nilson Pinto, do PSDB paraense, registrou que o então comandante geral do Exército Eduardo Villas Bôas garantiu, em maio daquele ano, que “as Forças Armadas estão cientes das suas responsabilidades como instituições permanentes e regulares na garantia dos poderes constitucionais”. É curioso que o chefe de uma das forças tenha se sentido à vontade para falar em nome das outras duas.

Incrivelmente, a lorota foi contada por Villas Bôas menos de dois meses após ele ameaçar via Twitter o Supremo na véspera do julgamento de um habeas corpus de Lula, então cercado pela Lava Jato. Pinto, aparentemente, a engoliu satisfeito – o relatório da comissão presidida por ele não faz sequer menção, menos ainda censura, ao tweet do general, que aproveitou a reunião para pedir que “recursos destinados aos projetos estratégicos [das Forças Armadas] sejam aumentados e assegurados”.

A situação não é diferente no Senado. Em 2021, a Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional, que na casa usa a sigla CRE, fez eventos até com chefs de cozinha para tratar da gastronomia no turismo. Nem uma palavra no relatório do grupo presidido pela senadora Kátia Abreu, do PP do Tocantins, trata da ordem do dia golpista ou da demissão de Azevedo e Silva e dos comandantes das três forças.

Ao contrário: quando trata dos militares, o documento se dedica a destrinchar os esforços da CRE por emendas em favor das Forças Armadas e a relatar um “ciclo de audiências públicas sobre o tema Fortalecimento da Base Industrial de Defesa”.

Em 2019, a CRE presidida por Nelson Trad Filho, o Nelsinho Trad, do PSD do Mato Grosso, recebeu Azevedo e Silva para que ele mostrasse “o tamanho da missão dos militares em atuar em 8,5 milhões de quilômetros quadrados do território nacional”. Também houve espaço, no relatório daquele ano, para o acidente com o voo da Chapecoense na Colômbia, que segundo o texto mobilizou a CRE “por justiça para famílias das vítimas”. Sobre manifestações golpistas e ordens do dia celebrando a ditadura, nada.

Ainda assim, o documento é rico se comparado ao anterior. Foi em meras cinco páginas que a CRE, presidida por Fernando Collor de Mello, senador por Alagoas, à época no PTC e atualmente no PTB, expôs todo o seu trabalho em 2017 e 2018. Naturalmente, não houve espaço para tratar dos tweets com ameaças de Villas Bôas.

“Temos muito poucos parlamentares que atuam na pauta. O mais frequente nos últimos anos era justamente Jair Bolsonaro, que sempre estava na comissão, mas para fazer defesa corporativa dos militares”, analisa Lucas Rezende. “Havia também Raul Jungmann [do Cidadania, ex-ministro extraordinário da Segurança Pública no governo Temer e atualmente parceiro de Sérgio Etchegoyen num instituto privado], muito subserviente à agenda dos militares, [a deputada federal] Perpétua Almeida [do PCdoB acreano], com uma visão mais de esquerda, e que talvez tenha tentado mais iniciativas para implementar o controle civil dos militares”.

Mas a falta de interesse da maioria dos políticos em tratar do tema das Forças Armadas é revelador de um problema mais grave, analisa Marina Vitelli. “Se temos tanto receio de melindrar os militares e nos importarmos com o que eles acham sobre como o Brasil deve ser governado, precisamos nos questionar a que ponto somos uma democracia”.

 

Correção: 18 de maio, 15h20

Ao contrário do que afirmava versão anterior deste texto, Fernando Collor de Mello, senador por Alagoas, não é alagoano, mas carioca. O texto foi corrigido.

The post Por que os militares se metem quando e como querem na política – e sem medo de punição appeared first on The Intercept.

When they say they’re “doing their research”

Published by Anonymous (not verified) on Wed, 18/05/2022 - 10:00am in

Tags 

Uncategorized

This is what they mean

If you have never watched Joe Rogan, you may be surprised that he is one of the most watched podcasters in the world, loved and defended by listeners left and and right who see him as an everyman who is full of wit and common wisdom:

Brandy Zadrozny, on NBC’s right wing extremist beat did some real research:

OK. So I’ve got a minute. Why Does Joe Rogan think Australia is trying to make growing your own food illegal? Let’s investigate.

He’s not alone. Twitter search shows lots of folks claiming the same. A lot of the videos and tweets include a screenshot from something called Apex World News.

@awelloilednurse

But it’s for my “safety” #whereistheoutrage #tryanny #selfsufficency #agriculturalbill #permaculture #veggiegarden #footshortages #auspol

♬ original sound – Annie

So who is @apexworldnews? The account is a typical “breaking news” type of misinfo account. No ownership listed, spammy and unverified content. It does list a website. But … expired.

To the Wayback! Site looks junky, serves ads. And much of the content is authored by a “Grace Siwale.” There is a person on Twitter with this name (not linking) and she shares a lot of Apex World News links. She’s also deeply religious and a fan of one particular preacher.

Uebert Angel a British-Zimbabwean who preaches the prosperity gospel. (“God wants you to be rich and he’ll make it so if you … give me money?” I don’t know just go with it.)
And a little Googling shows us that. Angel founded Apex in 2020.

https://www.uebertangel.org/2020/07/17/prophet-uebert-angel-announced-the-debut-of-a-global-news-channel-called-apex-world-news/

The kind of thing you might read / see on Apex World News? Misinformation Madlibs:

Just for good measure, we can take a look at the website in DomainTools and see that Apex shares a mail server IP with other sites, including those that clearly belong to the preacher.

So, I wouldn’t get my news from a so-called prophet’s junk news site, but you know who might? Rogan fan, vaccine critic, Ivermectin-loving, friend of the IDW, Chris is a self described financial analyst & founder of a self-help/actualization thingie that’s definitely not an MLM.

Anyway, @joerogan. Don’t get your news from here.

Originally tweeted by Brandy Zadrozny (@BrandyZadrozny) on May 17, 2022.

These people will believe anything. They are particularly married to the idea that the pandemic has been used as an excuse by governments everywhere to repress people for nefarious reasons.

Email
Twitter
Facebook

Of course white supremacy is motivating most political violence in America

Published by Anonymous (not verified) on Wed, 18/05/2022 - 7:00am in

Tags 

Uncategorized

It’s obvious

White supremacist Dylan Roof

If there is a difference between the Republican party of yesteryear (meaning pre-Newt) and today, I would say that in the past there was an awareness that you can’t let the crazies drive the car. They are useful to energize the voters but you can’t put them in charge because they’ll hit the gas and run off a cliff. Unfortunately for all of us, they either forgot that in recent years or just got so greedy and power-mad that they decided to let them take the heel and the results are obvious.

David Leonhardt in the NY Times:

Over the past decade, the Anti-Defamation League has counted about 450 U.S. murders committed by political extremists.

Of these 450 killings, right-wing extremists committed about 75 percent. Islamic extremists were responsible for about 20 percent, and left-wing extremists were responsible for 4 percent.

Nearly half of the murders were specifically tied to white supremacists:

Credit…Source: Anti-Defamation League

As this data shows, the American political right has a violence problem that has no equivalent on the left. And the 10 victims in Buffalo this past weekend are now part of this toll. “Right-wing extremist violence is our biggest threat,” Jonathan Greenblatt, the head of the ADL, has written. “The numbers don’t lie.”

The pattern extends to violence less severe than murder, like the Jan. 6 attack on Congress. It also extends to the language from some Republican politicians — including Donald Trump — and conservative media figures that treats violence as a legitimate form of political expression. A much larger number of Republican officials do not use this language but also do not denounce it or punish politicians who do use it; Kevin McCarthy, the top House Republican, is a leading example.

It’s important to emphasize that not all extremist violence comes from the right — and that the precise explanation for any one attack can be murky, involving a mixture of ideology, mental illness, gun access and more. In the immediate aftermath of an attack, people are sometimes too quick to claim a direct cause and effect. But it is also incorrect to pretend that right-wing violence and left-wing violence are equivalent problems.

Fears in Washington

If you talk to members of Congress and their aides these days — especially off the record — you will often hear them mention their fears of violence being committed against them.

Some Republican members of Congress have said that they were reluctant to vote for Trump’s impeachment or conviction partly because of the threats against other members who had already denounced him. House Republicans who voted for President Biden’s infrastructure bill also received threats. Democrats say their offices receive a spike in phone calls and online messages threatening violence after they are criticized on conservative social media or cable television shows.

People who oversee elections report similar problems. “One in six elec­tion offi­cials have exper­i­enced threats because of their job,” the Brennan Center, a research group, reported this year. “Ranging from death threats that name offi­cials’ young chil­dren to racist and gendered harass­ment, these attacks have forced elec­tion offi­cials across the coun­try to take steps like hiring personal secur­ity, flee­ing their homes, and putting their chil­dren into coun­sel­ing.”

There is often overlap between these violent threats and white supremacist beliefs. White supremacy tends to treat people of color as un-American or even less than fully human, views that can make violence seem justifiable. The suspect in the Buffalo massacre evidently posted an online manifesto that discussed replacement theory, a racial conspiracy theory that Tucker Carlson promotes on his Fox News show.

Leonhardt goes on to point out that there are quite a few GOP leaders like Marjorie Taylor Green who have a history of calling for violence against Democrats with no sanction and little resistance from the Party. Trump, of course, has a long history of calling for violence and incited the insurrection on January 6th so the undisputed leader of the GOP is actually leading the charge.

There is simply no dispute that white supremacy is the overwhelming motivator in political violence in this country today. Yes, there is a lot of hate to go around and there are mass shootings that have nothing to do with politics. But to claim that the violent American right wing isn’t waging domestic terrorism attacks regularly is just plain wrong. Add in the anti-abortion violence, the anti-government violence and the pro-Trump violence and you have a dangerous terrorist movement living among us. And they are all armed to the teeth.

Email
Twitter
Facebook

Economics Textbooks

Published by Anonymous (not verified) on Wed, 18/05/2022 - 5:53am in

Tags 

Uncategorized

from Steve Keen Thomas Kuhn once famously described textbooks as the vehicle by which students learn how to do “normal science” in an academic discipline. Economic textbooks clearly fulfil this function, but the pity is that what passes for “normal” in economics barely deserves the appellation “science”. Most introductory economics textbooks present a sanitised, uncritical […]

Pages