Uncategorized

No! KKK’s David Duke and BNP’s Nick Griffin DON’T Support Corbyn!

Really brilliant post yesterday by Zelo Street, demolishing the Tory lies that David Duke, the head of the KKK in Louisiana and Britain’s own Fascist abomination, Nick Griffin, support Jeremy Corbyn. The claim was made a year or so ago by the Times and the Scum in order to add some spurious credibility to the anti-Semitism smears against the Labour leader and his supporters.

This began with Henry Zeffman in the Thunderer writing

“A white supremacist and former grand wizard of the Ku Klux Klan praised the election of Jeremy Corbyn to the Labour leadership as a sign that people were recognising ‘Zionist power’ and ‘Jewish establishment power’. David Duke, who led a branch of the KKK based in Louisiana in the 1970s, told listeners to his radio show in 2015: ‘It’s a really good kind of evolutionary thing, isn’t it, when people are beginning to recognise Zionist power and ultimately the Jewish establishment power in Britain and in the western world.”.

The problem with this was that two years after the claim Zeffman had uncovered, Duke had seriously revised his opinion of Corbyn, calling him ‘Marxist filth’. 

And the BNP’s former fuehrer has crawled out from whichever stone he’s been hiding under ever since his stormtroops gave him the heave-ho to make it clear that he does not, after all, support Jeremy Corbyn either. After reading headlines claiming that Corbyn’s speech to the CBI raised the issue of anti-Semitism once again, Griffin tweeted

“Have read that headline several times. Can easily be read that someone at the Mail still has the occasional ‘hurrah for the Blackshirts’ moment!”

Zelo Street remarks that the Heil’s history is so notorious that even Griffin knows about it. Which I suppose he would, actually being one of the Fascists the Heil supported back then. But in an answer to the question who he would personally support in the election, Griffin responded

None of them. Though I did give the Zio-media a stick to beat Corbyn by saying I’d vote for him on foreign policy grounds. But unless he comes out to oppose the UK sanctions on Syria that are killing thousands of children & adding to the refugee flood, I won’t be doing so”.

It should come as no surprise that neither Duke nor Griffin support Corbyn. And in Griffin’s case, he makes it clear that he only said he did in order to cause trouble for the Labour leader.

Despite Conservative claims on both sides of the Atlantic that the Nazis were socialists, because they said they were, Hitler’s crew were far from it. Both the Nazis and the Italian Fascists were strongly in favour of private industry. When in power, they both embarked on massive privatisation programmes. The Nazis celebrate the entrepreneur of part of the biologically superior elite, who had a natural right to rule. And before the Nazi seizure of power, Hitler told a meeting of leading German businessmen that he had no intention of nationalising anything and private enterprise needed a strong ruler to protect it. Under Mussolini, the Italian Fascists declared that private industry was the best economic system and the very foundation of the country and state.

David Duke is a member of the Republican Party, or he was. Who are very keen on protecting and extending private enterprise against the state – not just in industry, but in healthcare and education, and also against the environment. So are other members of the Klan. A few years ago Duke frightened the Republicans by threatening to reveal the identities of other Republican politicians, who wore white sheets at their klonvocations. Of course Duke was going to find out eventually what Corbyn really stood for, and denounce him as a Commie. Just like the Tory press has been trying to smear him and his followers as Communists, Trotskyites, Stalinists or whatever.

And Duke obviously didn’t know about Corbyn’s Jewish supporters.

Contrary to what the press and media want you to believe, Corbyn ain’t an anti-Semite and has Jewish supporters. People like Jewish Voice for Labour, Jewdas, the Jewish Socialist Group, and London’s Haredi community. Because he’s actually stood up for Jews and Jewish issues. Mike and the other left-wing bloggers have put up lists of the numerous occasions Corbyn intervened on the community’s behalf. He has the support of Shraga Stern and London’s Haredi community because he stopped their historic burial ground from being redeveloped. And rather than wanting the mass carnage of Israelis, he simply wants an end to the Israeli state’s system of apartheid and oppression of the Palestinians. But that enrages Israel and its apologists, who unable to refute the allegations against them with fact, simply turn to smearing their opponents – including and especially self-respecting Jews – as anti-Semites.

Duke’s comment about Corbyn looks like his ideas about the Labour leader came from the biased reporting of the lamestream media. I dare say Duke would have gone berserk if he’d realised then that Corbyn is pro-Jewish and anti-racist, with Jewish supporters, along with those from Britain’s other ethnic communities.

However, if Duke and Griffin aren’t supporting Corbyn, other members of the far right are supporting the Tories. Like Stephen Yaxley-Lennon, alias Tommy Robinson, formerly of the EDL, formerly of PEGIDA, former special adviser on Islam to UKIP. And for some reason the Tories are keeping very quiet about his support, while definitely not repudiating.

They can’t really, not when so much Tory strategy is based on stirring up hatred against ethnic minorities and immigration, particularly Islam. Mates Jacobs uncovered a whole mass of islamophobia, racism and anti-Semitism in the social media groups for supporters of Boris Johnson and Jacob Rees Mogg. Some of whose members even believed in the same ‘great replacement’ nonsense – the conspiracy theory that the Jews are deliberately introducing and encouraging non-White immigration in order to destroy and replace White Europeans – that Duke and the Klan believe in.

Corbyn doesn’t have the support of David Duke or Nick Griffin. But the Tories have the support of Tommy Robinson, and some of their members certainly have extreme right-wing views. Which is why Boris isn’t going to have an inquiry into Tory islamophobia until after the election.

He’s probably hoping that by that time he’ll be safely in No. 10 and people will have forgotten about the whole scandal. Don’t let him.

For further information, see: https://zelo-street.blogspot.com/2019/11/nick-griffin-does-not-back-corbyn.html

Interfering with Laura Kuenssberg

Published by Anonymous (not verified) on Mon, 25/11/2019 - 10:02pm in

Tags 

Uncategorized

Last night the BBC was reporting on the Conservative manifesto. This is a document whose most striking pledge is to fill in some of the potholes in roads that have proliferated due to massive cuts in local authority funding, and to give free hospital car parking to those visiting a terminally ill relative. Just think of the last one. How do you prove your relative is terminally ill? What if there is a chance they might get better? The administration of this system is going to require people to have some form of certificate or token that all hope is now lost. For the car park. The Tories are all heart.

As the News continued, Laura Kuenssberg told us that the battle lines between the parties are now clearly drawn, and the major division is over how much the government “should interfere in the economy”.

Interfere. Not intervene. Not regulate. Interfere. It is a very deliberate choice of word. Let me turn to the Oxford English Dictionary:

Interfere

1) Prevent from continuing or being carried out properly
2) Handle or adjust without permission
3) Become involved in something without being asked
4) Sexually molest

Words matter. Kuenssberg chose a word with powerful negative connotations and no possible positive meaning, to describe the alternative to the Tories. Kuenssberg talking of government interfering in, rather than intervening in, the economy is in itself a very strong and explicit declaration of Kuenssberg’s belief in an Ayn Rand, “Britannia unchained”, free market, ultra neo-liberal world view. To explicitly frame the choice in the election as between the Tories and “interfering” is just another example of the way the BBC slants their election coverage, permanently.

Now I started to draft an article three days ago, before that particular Kuenssberg propaganda masterclass.

Here is what I wrote as a draft three days ago:

“Maybe I am just unlucky. I have had television news bulletins transport me to hear vox-pops featuring former Labour voters in Dudley who now want to vote Conservative to GET BREXIT DONE. I have seen vox pops in fishing wharves in Peterhead and Grimsby, in dismal cafes in Hartlepool, in bingo halls in Yarmouth, in pubs back in Dudley, on high streets in Wakefield, in a shopping mall in Thurrock, in hardware stores back in bloody Dudley again. The country is full of people who want to GET BREXIT DONE, and who will NEVER VOTE LABOUR AGAIN.

The strange thing is that I have not seen a single vox pop from Richmond, featuring an educated woman who is switching from a lifetime of Tory voting because they have become a far right party and are going to crash the economy with hard Brexit. But there are many people like that in Richmond, and indeed all over London, and throughout much of southern England. They exist but are not worth vox-popping, apparently. Because they are not the broadcasters’ chosen “narrative”.

The BBC, ITN and Sky will doubtless defend the very obviously targeted demographic and destination of their “vox-pops” on the grounds that this is the “narrative” of the election. But that is a self-reinforcing prophecy. The public are relentlessly being told that what ordinary people want is to “GET BREXIT DONE” and to vote Tory. But that is actually only what about 40% of the people want. We just aren’t being shown the other 60% as the broadcasters focus relentlessly on areas with the highest leave vote, and on vox pop subjects with the least possible education.”

While that passage was atill on the stocks, last night, alongside the Kuenssberg analysis, the BBC gave us a vox pop from the Rother Valley that fitted perfectly the above description. It came from a Yorkshire Labour seat that voted Leave. It featured Labour voters who will now vote Conservative. The ladies interviewed were perfectly primed with precisely the main Tory slogans. A lady told us she wanted Boris so we could “get Brexit done and get on with domestic reforms”. Another ex-Labour voter told us she would vote for Boris because “he may not be trustworthy, but I like him”. Trust and likeability are two factors the pollsters regularly measure. It is important for the Tories that voters prioritise likeability over trust, because Johnson’s Trust numbers are appalling. How fortunate that the BBC happened to find a little old lady in the Rother Valley who could express this so succinctly!

Or maybe it is not so surprising. With the mainstream media as such a reliable echo chamber of public slogans, perhaps it is not surprising to find the public just echo them too, as they do in North Korea. The state media in the UK is of course not the only propaganda outlet. Billionaires control 87% of print news media by circulation, and are aggressively Tory for obvious reasons of self-interest.

This leads to the incredible circularity of the “Newspaper Reviews” that take up such a high proportion of broadcast news output. The broadcasters “review” the overwhelmingly right wing print media. And who do they invite to do the reviewing? Why the billionaire employed journalists of the overwhelmingly right wing print media, of course! So we have the surreal experience of watching journalists from the Times and the Spectator telling us how great an article in the Daily Mail is, about how Corbyn is a Russian spy and Scotland not really a country at all.

If that was not bad enough, we then get deluged by “commentators” from “think tanks” which are again billionaire funded, like the Institute of Economic Affairs and scores of others, sometimes with money thrown in from the security services, like the Quilliam Foundation and scores of others. It is a never-ending closed circular loop of propaganda.

The truth is that it largely works. Social media is overwhelmingly sceptical of the government narrative, but we still live in a society where the power of mass broadcasting and even print retains a remarkable amount of influence, particularly on the old and the poorly educated. It is no coincidence that it is precisely the old and the poorly educated that are the targets of Cummings’ “Brexit election” strategy. If it comes off, Kuenssberg and her fellow hacks will have proven that the power of the mainstream media is as yet unbroken.

——————————————

Unlike our adversaries including the Integrity Initiative, the 77th Brigade, Bellingcat, the Atlantic Council and hundreds of other warmongering propaganda operations, this blog has no source of state, corporate or institutional finance whatsoever. It runs entirely on voluntary subscriptions from its readers – many of whom do not necessarily agree with the every article, but welcome the alternative voice, insider information and debate.

Subscriptions to keep this blog going are gratefully received.

Choose subscription amount from dropdown box:

Recurring Donations

2 Pounds : £2.00 GBP – monthly5 Pounds : £5.00 GBP – monthly10 Pounds : £10.00 GBP – monthly12 Pounds : £12.00 GBP – monthly15 Pounds : £15.00 GBP – monthly20 Pounds : £20.00 GBP – monthly30 Pounds : £30.00 GBP – monthly50 Pounds : £50.00 GBP – monthly70 Pounds : £70.00 GBP – monthly100 Pounds : £100.00 GBP – monthly

 

Alternatively:

Account name
MURRAY CJ
Account number 3 2 1 5 0 9 6 2
Sort code 6 0 – 4 0 – 0 5
IBAN GB98NWBK60400532150962
BIC NWBKGB2L
Bank address Natwest, PO Box 414, 38 Strand, London, WC2H 5JB

Subscriptions are still preferred to donations as I can’t run the blog without some certainty of future income, but I understand why some people prefer not to commit to that.

The post Interfering with Laura Kuenssberg appeared first on Craig Murray.

Dorothy Stang foi assassinada porque queria salvar a Amazônia. Esta é a sua segunda morte.

Published by Anonymous (not verified) on Mon, 25/11/2019 - 4:01pm in

Tags 

Uncategorized

A missionária Dorothy Stang caminhava na manhã de 12 de fevereiro de 2005 às margens de uma estrada da Amazônia quando foi abordada por dois pistoleiros. Ela estava sozinha. Mas não deveria.

Doti, como era conhecida, incomodava fazendeiros e recebia ameaças desde o início dos anos 2000. A americana de 73 anos, nascida em Dayton, Ohio, havia chegado ao Brasil em 1966 e batalhava pela criação de assentamentos que garantissem renda para famílias pobres, desde que elas preservassem a floresta. O modelo que Dorothy defendia, batizado de Projetos de Desenvolvimento Sustentável, os PDS, resistiu por uma década. Agora, eles correm o risco de colapso pela falta de apoio dos órgãos que têm a obrigação legal de protegê-los, num jogo de empurra-empurra infinito. E a situação piorou com o presidente Jair Bolsonaro, que vem desmontando os sistemas de proteção da floresta.

A filosofia da missionária ia contra a cultura do Pará profundo, uma região que atraiu fazendeiros que enxergam o desmatamento como única forma de prosperidade econômica. Árvores viram troncos valiosos; e o solo, campos de soja e gado. A missionária queria acabar com esse falso dilema dos fazendeiros — que hoje ocupam e tentam acabar com os PDS de Doti.

Interessados na terra, eles encontraram maneiras de invadir os terrenos, burlar a fiscalização e aparelhar órgãos do governo para desmatar. Parte desses fazendeiros são do grupo que ameaçava a missionária e que, no ano passado, denunciou o sucessor dela, padre Amaro José Lopes, preso por três meses após acusações que parecem levadas às autoridades apenas para calá-lo.

No dia 11 de fevereiro de 2005, véspera do encontro com os pistoleiros, Dorothy foi ao PDS Esperança, um dos que ela ajudou a criar. Lá, ela teria uma reunião com as famílias de assentados — o local fica às margens da Rodovia Transamazônica e hoje é reconhecido pela farta produção de cacau. A missionária deveria estar acompanhada de policiais e por servidores do Incra, o órgão responsável por administrar áreas do governo dedicadas à reforma agrária.

Na última hora, ninguém foi, e Dorothy decidiu ir mesmo assim à reunião.

Ela subiu na garupa de uma moto e enfrentou mais de 40 quilômetros de atoleiros típicos do inverno chuvoso da Amazônia para apoiar assentados assustados com as constantes ameaças de fazendeiros. Cruzou por imensas áreas devastadas pela pecuária até chegar a um trecho exuberante de floresta, onde fica o PDS Esperança.

A região vivia um momento de tensão. Dois meses antes, o governo havia determinado que fazendeiros que trabalhavam em áreas com mais de 100 hectares deveriam comprovar a posse da terra. A medida gerou a revolta dos fazendeiros, alguns deles “grileiros” — especuladores que possuem certidões falsas de propriedade de terras ou que não conseguem provar que são seus donos. Logo adiante, a decisão resultaria na cassação de centenas de títulos de posse — as terras, segundo a União, eram públicas.

No dia seguinte, Doti caminhava sozinha à beira da estrada quando, às 7h30, foi abordada por Rayfran das Neves Sales e Clodoaldo Batista, aliados de fazendeiros da região. A dupla questionou se a freira estava armada. Pressentindo o perigo, ela respondeu erguendo a Bíblia, sempre à mão. Doti começou a recitar trechos das bem-aventuranças. Sales ainda ouvia versos como “Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos” quando atirou seis vezes na missionária. Uma das balas acertou sua cabeça, e outras cinco furaram seu corpo magro, como confessou Sales perante a justiça. Ele e Batista foram condenados pelo assassinato.

Foi a primeira morte da irmã Dorothy, que se tornou o símbolo da luta pela reforma agrária e proteção da Amazônia.

BRAZIL MISSIONARY'S MISSION

Admiradores reunidos no velório de Dorothy Stang, em 15 de fevereiro de 2005. Ela era uma esperança para que não tinha dinheiro para comprar terras e garantir o sustento.

Foto: Paulo Santos/AP Images

O sonho da missionária

Quando Dorothy Stang foi assassinada, autoridades brasileiras estavam reunidas no Pará para a inauguração de uma das maiores reservas extrativistas da Amazônia, a Resex Verde para Sempre, em Porto de Moz. Era um dia de festa para os defensores da floresta. A ministra Marina Silva estava discursando quando parte da plateia começou a chorar e se abraçar. Padre Amaro Lopes, o braço direito de Doti, estava presente e caminhava de um lado ao outro. “A única coisa que pensava era que tudo estava acabado. Eles, os madeireiros, os grileiros, os fazendeiros, haviam vencido”, escreveu o então procurador Felício Pontes Jr., um dos maiores aliados de Doti na luta para a criação dos assentamentos. Entre 2000 e 2005, Doti e Pontes participaram de dezenas de reuniões para criar os PDS.

A missionária foi pioneira na popularização do conceito de sustentabilidade nos grotões da Amazônia. Desde os anos 1980, ela ensinava os trabalhadores a tirar seu sustento sem destruir a selva. Reunia lideranças femininas do campo, incentivava a organização dos assentados em coletivos e ensinava camponeses sem estudo formal a fazer o manejo florestal sustentável. Ela não se conformava em ver camponeses passando fome enquanto a União é a maior dona de terras do país, com áreas continentais sem uso ou ocupadas irregularmente. Os PDS, para ela, eram o caminho para garantir sustento às famílias e proteger o meio ambiente.

Freiras e padres da Comissão Pastoral da Terra, a CPT, a qual Dorothy Stang fazia parte, têm a função de fazer a interlocução entre os assentados e os servidores do Incra, Ibama e do Ministério Público, responsáveis por zelar e regularizar os PDS. Dorothy foi ameaçada dezenas de vezes por cumprir esse papel e não se dobrar diante das ameaças. Em um dos depoimentos à CPMI da Terra, em 2004, Dorothy disse:

“…sou ameaçada de morte, publicamente, por fazendeiros e grileiros de terras públicas. Tiveram a ousadia de ameaçar-me e pedir a minha expulsão de Anapu. Tudo isso só porque clamo por justiça. Agradeço a Deus esses anos riquíssimos de aprendizagem, amizade com o povo. Apaixonada sou pela sinceridade, partilha, hospitalidade, resistência, firmeza disponibilidade (desse povo)”.

A missionária era tão dedicada à causa que costumava abrigar as famílias na casa de madeira pintada de verde-água onde residia, ao lado da Igreja, em Anapu. Quando estava em busca da regularização dos PDS, Dorothy chegou a dormir nas dependências do Incra para pressionar por respostas, segundo relatos de servidores. Mesmo idosa, ia de ônibus para as reuniões em Belém, a 600 quilômetros de Anapu, e subia nas garupas de motos para acessar os recônditos da floresta. “Ela era incansável e não se deixava abater”, me disse a professora da Universidade Federal do Pará Noemi Miyasaka, que acompanhou a luta de Dorothy desde 1999.

O trabalho da missionária era urgente — e segue urgente — porque o Pará, cujo tamanho supera o do Texas e da Califórnia juntos, é campeão de desmatamento da maior floresta tropical do mundo. Não foi à toa que a missionária elegeu o estado para criar dois assentamentos, Virola-Jatobá e Esperança, que juntos somam uma área quase do tamanho de Salvador, com 67,3 mil hectares.

Os PDS de Dorothy são descritos por moradores locais como um cinturão verde em meio à devastação que avança sobre a Amazônia. “Eles são como uma espécie de portal que funciona como uma proteção. Se invadidos de modo definitivo, a floresta inteira vem abaixo”, me descreveu um morador local que pediu para não ser identificado por medo de ameaças.

 

A morte da missionária não foi em vão. Nos anos seguintes, a reboque da comoção internacional pelo seu assassinato, o governo de Luiz Inácio Lula da Silva tomou uma série de providências para acelerar a consolidação do legado de Dorothy. O assassinato foi o estopim para que começasse a ser enfrentado o antigo problema dos grileiros que, naquela época, dominavam 30 milhões de hectares somente no Pará.

A primeira medida foi a legalização dos PDS, o que permitiu que centenas de famílias ganhassem uma terra para trabalhar na Amazônia sem destruir a floresta. O PDS é autossustentável: cada família assentada tem direito a 20 hectares onde pode cultivar grãos e verduras para a subsistência, e o restante da área é dividida em dois. Uma parte deve ser conservada como área de preservação permanente. A outra integra a reserva de proteção ambiental comunitária, onde é implementado um plano de corte de árvores que segue regras ambientais rígidas.

O dinheiro da extração de árvores é revertido em renda para as famílias. Nos anos seguintes à morte de Dorothy, foram criados 111 PDS na Amazônia, em uma área de 3,4 milhões de hectares, pouco maior do que Alagoas. Com a regularização, as famílias de camponeses podem ganhar acesso às linhas de crédito e recursos do Fundo Amazônia, além de apoio do Incra e Embrapa, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, para produzir sem danos à floresta.

No mês do assassinato de Dorothy, o governo também incorporou ao PDS Esperança a área onde Doti foi morta. A posse do terreno era reivindicada pelo fazendeiro Vitalmiro Bastos de Moura, o Bida, mais tarde condenado como mandante do crime — ele cumpre pena em regime semiaberto e é investigado pelo MPF por venda de serviço de segurança a fazendeiros.

Além de criar os assentamentos, a então ministra do Meio Ambiente Marina Silva lançou outras medidas. Demarcou cinco novas unidades de conservação, criou sistemas via satélite de alerta de desmatamento e enviou um projeto de gestão das florestas públicas para que fossem protegidas a despeito da mudança de governos. Deu certo. Em 13 anos desde o assassinato da missionária, as taxas de desmatamento na Amazônia caíram 72% até 2018, segundo dados do ministério do Meio Ambiente.

Por 12 anos, os PDS resistiram frente aos avanços de grileiros. O perigo, no entanto, sempre esteve presente: o Brasil segue líder em destruição de florestas segundo o World Resources Institute.

Em 15 de novembro de 2017, um bando de 200 invasores tomou conta da reserva legal do assentamento Virola-Jatobá.

E começou ali a segunda morte de Dorothy Stang.

The farmer Vitalmiro Bastos de Moura, accused of ordering the death of american missionary Dorothy Stang during trial.

O fazendeiro Vitalmiro Bastos de Moura, o Bida, foi condenado como mandante da morte de Dorothy.

Foto: Tarso Sarraf/Agencia Estado via AP Images

Jogo político de empurra-empurra

Os agressores entraram na área do PDS em motos. Um relatório do Incra descreve o procedimento dos grileiros. Segundo o documento, eles adentraram a área pela principal via de acesso ao PDS. Outros por uma das divisas do assentamento, ao lado das terras dos fazendeiros João e Renato Cintra Cruz, acusados de ocupar e vender irregularmente áreas do PDS. Pai e filho são conhecidos do Incra desde 2016 — eles constam como réus no processo de reintegração de posse do Virola-Jatobá. A dupla teria vendido terras a invasores que chegavam do sul do Pará, de acordo com a acusação — procurei contatos da família Cruz ao longo da reportagem, mas não foi possível localizá-los. Apesar do histórico, o órgão não agiu.

Quase dois anos depois, grileiros e madeireiros seguem ameaçando assentados e retirando caminhões com toras de espécies valiosas como acapu, cumaru e angelim-vermelho durante as madrugadas.

Nesse período, o bando contratou topógrafos para delimitar mais de 200 lotes e iniciou o desmatamento para a formação de pastagens para o gado, o “quebradão” (cortam a árvore com motosserra e a arrastam com um cabo de aço até os caminhões). Invasores criaram uma entidade à parte, chamada de Associação Liberdade do Povo, enquanto se articulavam a madeireiros e grileiros interessados na floresta do Virola. A maioria teria interesse em negociar as terras, como revelam os contratos de compra e venda que constam no relatório do Incra.

O problema é antigo. Poucos anos depois da morte da missionária, madeireiros começaram a usar os assentamentos da Amazônia para esquentar o corte ilegal de árvores, deturpando o uso original dos PDS.

Uma investigação do Ministério Público Federal iniciada em 2007 levou à interdição de 106 projetos, que foram batizados de “assentamentos fantasmas”. A investigação constatou que vários deles não tinham licenciamento ambiental, estavam localizados em áreas de conservação ambiental ou beneficiavam madeireiros. Em muitos casos, a criação do assentamento ocorria com um ofício de três páginas, desconsiderando todos os trâmites legais e estudos envolvidos até chegar à fase da implantação.

Os PDS de Dorothy são descritos como um cinturão verde em meio à devastação que avança sobre a Amazônia.

Pouco a pouco, conforme denúncias nos PDSs e crises econômicas, fiscais e políticas foram se empilhando no Brasil ao longo da década de 2010, murchou o interesse do governo de Dilma Rousseff na reforma agrária. Mas o abandono se intensificou de modo mais explícito no governo de Michel Temer, quando ocorreu a invasão no Virola-Jatobá.

O caso é exemplar sobre a incompetência (e o descaso) do governo. Por duas vezes, a pedido da justiça, a Polícia Federal retirou os invasores. Eles retornaram, no entanto, prolongando uma novela que conta com a complacência do Incra, do Ibama, da PF e das forças de segurança estaduais e com a lentidão do Ministério Público Federal e do Judiciário — a frequente troca de procuradores e juízes na região gera interrupção de investigações e processos. “A atual situação é de completa falta de governança entre os órgãos, que parece proposital”, desabafou Roberto Porro, da Embrapa, incansável na defesa do Virola.

O dono formal da área é o Incra, que concedeu aos assentados o direito de uso. É dever do órgão defender o modelo criado por Dorothy Stang e buscar articulação com a polícia para cumprir as etapas de regularização e retirada dos invasores. Mas, em mais de 13 anos depois da criação do Virola, apenas 55 das 160 famílias estão com a situação em dia. “A regularização fundiária dos assentados é uma obrigação básica do Incra, mas que não é cumprida, sempre com diferentes alegações”, me disse Porro. Sem a concessão formalizada pelo Incra, os assentamentos viram alvo fácil de grileiros, e os camponeses não têm meios legais para se defender de quem quer roubar a terra.

Quando o bando invadiu o assentamento em novembro de 2017, o órgão sequer foi ao local. Com a inoperância do Incra sobre seu próprio patrimônio, os assentados decidiram então procurar a polícia de Anapu, que se negou a fazer um boletim de ocorrência alegando que a área é federal e, logo, estava fora da sua jurisdição.

Pela Constituição, a proteção ao meio ambiente é de responsabilidade de municípios, estados e governo federal — ou seja, todos deveriam atuar em conjunto para coibir crimes contra a floresta. Na prática, porém, essa articulação não funciona, e órgãos estaduais e federais acabam numa discussão eterna sobre quem deve agir primeiro, o que favorece os conflitos e os criminosos.

Os assentados do Virola tiveram de recorrer à Defensoria Pública do Pará, que fez uma artimanha jurídica para entrar com uma ação de reintegração de posse — o órgão considerou que o direito de uso dava aos assentados prerrogativa para exigir a devolução da área sem ter de esperar pela ação do Incra.

A alegria durou pouco: eles encontraram um quadro desolador.

A procuradora Patrícia Xavier, que acompanhou o caso do Virola até novembro de 2018, me disse que se trata de uma ineficiência flagrante. “O Incra foi se tornando cada vez mais inerte. Não se justifica essa estrutura tal como está atendendo um dos municípios reconhecidamente mais conflituosos e violentos no campo”, afirmou.

A medida só fez o Incra acordar cinco meses depois, no final de março de 2018, quando entrou como co-autor do processo dos assentados. Em 28 de maio de 2018, a Justiça Federal expediu a primeira ordem de reintegração de posse. Foi quatro meses de reuniões e desencontros entre as forças policiais, MPF, Incra e a Embrapa, responsável por orientar o manejo sustentável do assentamento.

Quando policiais civis e federais, bombeiros e membros do MPF e do Incra finalmente entraram no PDS para cumprir a reintegração de posse e retirar os invasores, em 21 de setembro de 2018, a operação foi comemorada com troca de mensagens por WhatsApp. Mas a alegria durou pouco: eles encontraram um quadro desolador. As fotos tiradas no local mostram extensas áreas desmatadas e árvores no chão.

Out2018_Anapu_158-1572908062

Invasores queimaram árvores e casas do assentamento.

Fotos: Roberto Porro

A justiça havia determinado que a polícia ficasse no local por um mês para evitar o retorno do bando. Os policiais não cumpriram o prazo, e, menos de dez dias depois, os mesmos invasores voltaram. O grupo ateou fogo na sede do projeto de manejo florestal da Associação Virola-Jatobá, próximo à entrada do PDS, e parte da madeira estocada usada para custear o assentamento foi consumida em chamas.

O pesquisador da Embrapa Roberto Porro, junto com a UFPA e o Ministério Público, iniciou as pressões mais uma vez e, em janeiro de 2019, a justiça emitiu uma nova ordem de reintegração de posse com pedido de policiamento de 30 dias, cumprida somente cinco meses depois, em maio. Desta vez, a Polícia Militar do Pará ficou 90 dias nas áreas em rondas diurnas. Mas foi insuficiente.

Um servidor do Incra informou em uma circular enviada ao Ibama e ao MPF em junho: “Estamos brincando de fazer a manutenção de posse e os madeireiros estão brincando que nos respeitam. As rondas da Polícia Militar são feitas durante o dia. Os madeireiros, nesse horário, estão dormindo! Quando saímos do PDS, ao final da tarde, eles são informados e, a partir daí, começam a retirar as madeiras”.

Entrei em contato duas vezes com a Secretaria de Segurança Pública do Pará a respeito da invasão. Na primeira vez, a assessoria de imprensa comunicou que a secretaria não cumpriria a reintegração de posse do assentamento porque não se tratava de uma ordem judicial, mas um pedido do MPF. Ela estava errada: não era um pedido, mas uma ordem judicial. Contestei a resposta e não obtive mais retorno. Na segunda vez, após um novo despacho da justiça, eles disseram estar aguardando manifestação do Incra.

 

 

Ativistas e pesquisadores ligados aos assentamentos atribuem a demora e o descaso ao aparelhamento político do Incra. Ser nomeado para o órgão é uma moeda valiosa porque a União é a maior latifundiária da Amazônia.

Durante o governo Temer, o Incra no Pará foi comandado por aliados do deputado federal Wladimir Costa, do Solidariedade, conhecido por tatuar o nome de Temer no braço às vésperas do impeachment de Dilma Rousseff. É um político alinhado com o Brasil bolsonarista: na sessão que decidiu pelo impeachment de Dilma Rousseff, jogou confetes no plenário.

Natural do Pará, Wlad, como é chamado, teria pedido a exoneração de Danilo Hoodson, superintendente do Incra em Altamira desde 2013. Quando foi exonerado, em janeiro de 2017, a decisão foi comemorada efusivamente na sede do Siralta, o Sindicato dos Produtores Rurais de Altamira. Entre 2017 e 2018, o servidor ficou entre Brasília e Cuiabá, distante de Anapu. Não por acaso, o Virola foi invadido nesse período.

Depois de conseguir a demissão de Hoodson, Wlad emplacou o irmão Mário Sérgio na superintendência do Incra de Santarém, além do amigo Alderley da Silva e o colega de partido Andrei Viana de Castro para a pasta em Altamira, responsável por Anapu. Silva e Castro até compareceram às reuniões sobre a invasão do Virola (cuja posse deveriam defender como representantes do Incra), mas não davam encaminhamento às ordens internas para viabilizar a reintegração de posse. “Parecia que não era de interesse da instituição”, me disse Roberto Porro, pesquisador da Embrapa.

Na época da invasão, conversei com o então diretor de desenvolvimento do Incra, Ewerton Giovanni dos Santos, lotado em Brasília, quanto ao uso político do órgão no Pará. Ele desconversou. Na entrevista, reconheceu a responsabilidade do Incra sobre a situação, mas acreditava que a solução da invasão do Virola extrapolava a autoridade do instituto. “É um caso de segurança pública. Os servidores do Incra também são ameaçados”, me disse em dezembro de 2018.

Ironicamente, foi uma brecha na política de desmonte dos órgãos de controle do meio ambiente, uma promessa de campanha de Bolsonaro, que permitiu que o Incra agisse para proteger o Virola. Desde janeiro, o órgão ficou acéfalo nos estados — Bolsonaro demitiu os superintendentes e não nomeou ninguém por nove meses.

O aparelhamento político do Incra do Pará entrou na mira do Ministério Público Federal ainda no ano passado.

Com saída de Temer e dos aliados de Wlad no Incra, Hoodson aproveitou o vácuo e voltou às suas funções em Altamira, no início de 2019. Foi ele que mobilizou os funcionários de carreira do Incra para a defesa do assentamento neste ano, quando o órgão estava sem chefia indicada por Bolsonaro.

A justiça expediu um novo pedido de reintegração de posse em junho, ordenando que as forças policiais engrossassem a supervisão no Virola, auxiliando servidores do Incra. Passaram-se mais dois meses de idas e vindas, até uma nova operação ser deflagrada em 22 de agosto. O Incra enfim retomava a posse do seu terreno.

Vinte dias depois da operação que retomou o Virola, talvez em resposta, Bolsonaro empossou um novo chefe do Incra de Altamira, que cuida de Anapu.

O aparelhamento político do Incra do Pará entrou na mira do Ministério Público Federal ainda no ano passado. Wladimir Costa e o irmão Mário Sérgio teriam sido flagrados distribuindo concessões individuais de terras de lotes dos PDS. “O Incra passou a ser um palanque eleitoral para promover o deputado Wladimir”, concluiu o MPF, que pediu a cassação dos direitos políticos de Wlad e o afastamento imediato do irmão do Incra, em uma ação assinada por 16 procuradores. Pouco depois, Mário Sérgio virou réu em processo criminal por prevaricação, peculato e falsidade ideológica. Wlad concorreu ao Senado nas últimas eleições, mas seus votos foram anulados após decisão do Tribunal Superior Eleitoral. Ele ficou sem mandato. Em 11 de novembro, Wlad e o irmão foram condenados pela justiça e perderam os poderes políticos por quatro anos. Eles ainda podem recorrer da decisão.

Integrantes do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) ocupam o prédio do Incra em São Paulo na manhã de 30 de abril de 2015.

Integrantes do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) ocupam o prédio do Incra em São Paulo na manhã de 30 de abril de 2015.

Foto: Zanone Fraissat/Folhapress

O padre ‘grileiro’

Enquanto os assentados tentavam chamar a atenção do Incra para a invasão no Virola-Jatobá, o sucessor de Dorothy Stang na defesa dos PDS, o padre Amaro José Lopes, era preso. Em 27 de março do ano passado, o líder religioso e ativista foi acusado de sete crimes – entre eles esbulho possessório, isto é, tomada ilegal de uma propriedade. A investigação partiu de uma denúncia feita por Silverio Albano Fernandes, presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Anapu e irmão do fazendeiro Laudelino Délio Fernandes, apontado por dois indiciados como mandante do assassinato de Dorothy.

Advogado da CPT, José Batista Afonso afirma que acusar ativistas de crimes é o novo método dos fazendeiros para calar lideranças. A estratégia tem obtido sucesso.

A participação de Laudelino na morte da irmã nunca foi provada, mas o fazendeiro foi condenado por crimes ambientais e foi investigado por fraudes milionárias em projetos da antiga Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia, criada pelo governo militar para “desenvolver” a região.

Antes de ser assassinada, Dorothy acusou Délio de se apropriar ilegalmente de três lotes de terras e o próprio Silverio de ameaçá-la. Em depoimento prestado em 28 de dezembro de 2002 na Polícia Federal, a missionária relatou que Silverio Fernandes havia lhe dado carona uma vez. Durante o percurso, o fazendeiro disse que não queria que ninguém invadisse suas terras ou “teria sangue até a canela”. “Em uma de minhas visitas, Dorothy me levou a um churrasco dos madeireiros e me apontou Délio, Silvério e Luciano Fernandes como principais antagonistas do PDS”, me disse uma fonte que pediu anonimato.

O Incra passou a ser um palanque eleitoral.

Em depoimento prestado à polícia em 4 de março de 2018, Silverio acusou o padre Amaro de chefiar uma organização criminosa que estaria por trás da ocupação da Fazenda Santa Maria, em Anapu, supostamente propriedade de um parente seu. A posse do lote de 3.100 hectares é reivindicada pelo fazendeiro, mas a justiça determinou que as terras voltassem para União para promover o assentamento de famílias – padre Amaro servia como um intermediário entre os camponeses e o MPF e o Incra.

Os advogados da CPT tiveram de recorrer aos tribunais superiores para conseguir um habeas corpus para soltar o padre Amaro. Ele está livre desde então, mas proibido de falar com os assentados e ir a encontros ou reuniões, que faziam parte do seu dia a dia como ativista do campo. “A visão da justiça local é de criminalizar movimentos sociais. Isso fica claro no despacho do juiz que indeferiu a soltura alegando que padre Amaro trazia risco à ordem pública por chefiar uma organização criminosa. Quem traz risco à ordem pública são seus acusadores”, me disse por telefone Afonso, que defende outros 20 ativistas que estão sendo processados por fazendeiros. “Se eu fiz alguma coisa de errado foi colocar a terra na mão do trabalhador para tirar sustento”, disse Amaro durante o evento de um premiação de direitos humanos no qual foi agraciado em dezembro de 2018.

Silverio, um fazendeiro poderoso na região de Anapu, discorda. Ele me disse por telefone que “padre Amaro é grande responsável pelas inúmeras invasões que ocorreram em Anapu”. “Desde que ele foi preso e impedido de se reunir, não teve mais invasões”, completou Silverio.

Falei por vídeo com Silverio quando as notícias dos incêndios na Amazônia estampavam as capas dos jornais nacionais e internacionais no final de agosto. Ele fez questão de mostrar que não havia fogo algum ao seu redor, mostrando um campo muito verde, mas sem árvores no horizonte. E usou argumentos semelhantes ao do presidente Jair Bolsonaro. Disse que o que ocorria na Amazônia era um “projeto de ONGs que querem colonizá-la só com índios”, “que as ONGs são as vilãs” e “tudo o que se vê na mídia é uma grande mentira.”

 

An aerial view of a burned forest area next to a cattle ranch in the state of Pará in Altamira, Brazil, Aug. 31, 2019.

Em Altamira, Pará, a fumaça anunciou o desmatamento recorde da década no país.

Foto: Victor Moriyama/GDA via AP Images

Um governo inimigo da Amazônia

Quase um ano depois da invasão, a Polícia Federal, a cargo da investigação, não concluiu o inquérito. “É um trabalho complexo”, me disse o delegado Carlos Castelo. Sem a conclusão do inquérito, o MPF não tem os subsídios para indiciar os invasores por crime ambiental ou pedir prisão preventiva. A delegacia federal de Altamira, responsável por Anapu, cuida de uma área de 233 mil km², pouco menor que a área do estado de São Paulo, com apenas três delegados.

Os saques de madeira no Virola continuam. Em outubro, os invasores voltaram em um ônibus, mas foram retirados mais uma vez. Elvenício Anunciação dos Santos, assentado no Virola desde 2002 e chefe da Associação Virola-Jatobá, diz que policiais não conseguem conter os agressores porque a maioria dos invasores só entra na área para derrubar floresta e negociar a venda de lotes sem se instalar permanentemente. Daí a dificuldade de conter a sua ação. “Ainda tem grilagem. Ainda tem invasor escondido. Deu uma parada por causa da operação (de agosto), mas segue”, disse.

Santos lamenta a falta de apoio do governo ao projeto. “Por ele (governo), acabava tudo. Quem faz a coisa certa é quem mais sofre”. O agricultor conheceu a irmã Dorothy e sente falta da ajuda da missionária. “Ela ajudou muito a gente chegar até o governo”.

Cerca de 7% da Amazônia Legal está ocupada por assentamentos, muitos deles ameaçados por grileiros, madeireiros e mineradoras. São 36,3 milhões de hectares, uma área maior do que a Alemanha, sofrendo pressão de grupos dispostos a ocupar a terra com gado e garimpo e a derrubar árvores que ajudam a deter o aquecimento global. “O Incra criou os projetos, mas não investiu em políticas de fiscalização, de infraestrutura e desenvolvimento”, me disse um servidor do Incra que prefere não se identificar por medo de represálias.

Desde o final do segundo mandato de Dilma, o governo paralisou a reforma agrária.

Um dos casos mais graves constatado foi no PDS Terra Nossa, situado em Novo Progresso, no sul do Pará. Oitenta por cento da área foi grilada, revela um relatório do Incra. Uma mineradora, a Chapleau Exploração Mineral, explorava ouro na área concedida a assentados, de acordo com o Incra e o MPF. A Serabi Gold, hoje proprietária da Chapleau, diz não haver atividade operacional na área do PDS, mas reconhece que existe no local hoje “um efetivo de 25 profissionais responsáveis pela conservação da área do projeto” e que a empresa abriu um “diálogo com o Incra para obter a autorização definitiva para atuar na região”.

O mais surpreendente é que a mineradora recebeu autorização junto ao governo estadual e o Departamento Nacional de Produção Mineral sem apresentar estudo de impacto ambiental, como exige a lei. O MPF entrou com uma ação civil pública pedindo a cassação da licença da Chapleau, mas a Justiça Federal negou. Durante o processo, a mineradora admitiu que operava na área desde 2007 com conhecimento do Incra, que nunca teria entrado em contato.

Outra investigação deste ano do MPF revelou que o Incra em Santarém, no Pará, emitiu dezenas de títulos de uso individual de terras dentro de um PDS do oeste paraense – em um PDS, a posse continua sendo do governo, sem haver distribuição de títulos de propriedade entre assentados. Em apenas um dia, em janeiro de 2018, o órgão emitiu 238 contratos de concessão de uso, os CCUs, no PDS Eixo Forte, localizado dentro do município. Vários contratos foram destinados para a mesma pessoa, e até mortos constavam na lista de beneficiados. Segundo a ação do MPF, “a emissão de títulos individuais para as modalidades coletivas de assentamento representa um grave risco para os moradores, ao criar uma porta de entrada para grileiros que compram as CCUs e posteriormente passam a ameaçar as comunidades locais, buscando avançar sobre as terras coletivas”. O caos fundiário alimenta o desmatamento e a violência na região.

Desde o final do segundo mandato de Dilma Rousseff, o governo federal paralisou a reforma agrária. Entre 2015 e 2019, o orçamento destinado à compra de terras caiu 95%. Em contrapartida, Brasília tem apostado em uma nova forma de ocupação da Amazônia, dando títulos de posse. A emissão desse tipo de documento aumentou 502% entre 2015 e 2016 – lideranças pró-agronegócio na Amazônia já iniciaram a pressão para que o Incra retome a “regularização fundiária” no Pará, o que, na prática, significa dar títulos de propriedade a grileiros.

Quando ganha a propriedade de uma área, o produtor deixa de receber assistência do Incra e precisa buscar crédito por conta própria, o que faz com que muitos vendam a terra e voltem a engrossar as filas do desemprego nas cidades. Quando é assentado em um PDS, porém, o pequeno produtor não recebe o título da terra, apenas o direito de uso dela. Em troca, recebe assistência estatal – um negócio melhor para muitos agricultores.

O modelo de assentamentos, como o defendido por Dorothy Stang, perdeu ainda mais espaço em julho de 2017, quando o então presidente Michel Temer assinou uma lei que mudou as regras para ocupação de terras da União. O novo texto é visto por ambientalistas como um sinal verde para a grilagem. Com a nova regra, a área total do lote que pode ser legalizada aumentou de 1.500 para 2.500 hectares. Além disso, quem ocupou terras ilegalmente até 2008 poderá ser beneficiado (antes o prazo era até 2004). A lei também permite a compra de grandes áreas ocupadas por até 50% do valor mínimo da tabela do Incra. “Isso acaba estimulando novas ocupações, porque elas se tornam lucrativas”, me disse Brenda Brito, analista do Imazon, instituto de pesquisa especializado em questões fundiárias. “O governo é um dos maiores inimigos da Amazônia”, completou.

Brazilian President Jair Bolsonaro (L) listens to his Minister of the Environment Ricardo Salles, during a military event in Sao Paulo, Brazil on October 11, 2019.

Presidente Jair Bolsonaro escuta o seu ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, durante evento militar em São Paulo, em outubro de 2019.

Foto: Nelson Almeida/AFP via Getty Images

 

A situação piorou muito com a eleição de Jair Bolsonaro. Já durante a corrida presidencial, quando o ex-militar despontou na liderança, pesquisadores e ativistas notaram uma animosidade crescente no campo. No assentamento onde Dorothy foi assassinada, parte dos ocupantes impediu técnicos do Incra de fazer a inspeção alegando que a área “não ia mais ser PDS com a vitória de Jair Bolsonaro”. “As pessoas contrárias ao modelo sustentável dos PDS ganharam força”, lamenta Roberto Porro. Fazendeiros conhecidos da região estamparam outdoors de apoio ao candidato da “arminha”, e o povo ficou acuado. As irmãs Katia Webster e Jane Dwyer, parceiras de Dorothy na defesa dos PDS, não dão mais entrevistas por telefone.

Em seus primeiros dez meses, o governo Bolsonaro suspendeu o que restava de reforma agrária e paralisou o Ibama – os servidores alegam não ter nada para fazer apesar do súbito aumento de desmatamento e de queimadas.

Nabhan Garcia, o secretário de Assuntos Fundiários de Bolsonaro, quer aumentar a entrega de terras públicas com uma medida provisória que prevê a autodeclaração de posse. A medida é mais um convite para a regularização de áreas griladas.

O Ministério do Meio Ambiente não está totalmente parado – ele anda para trás. Seu titular, Ricardo Salles, causou uma série de conflitos desde que assumiu. Um deles foi a ordem de inspeção nos projetos financiados pelo Fundo Amazônia, o que fez com que tudo fosse paralisado. Isso causou uma situação surreal: há R$ 350 milhões parados, recursos que deveriam estar sendo investidos nos PDS e outras iniciativas que aliam desenvolvimento e proteção ambiental.

As mudanças na região puderam ser sentidas numa audiência pública realizada em 9 de setembro. O encontro, em Altamira, deixou claro que posseiros ilegais e madeireiros ganharam atenção do novo governo. Alguns dos apontados pelo Incra como responsáveis e promotores da invasão do Virola foram ao evento reclamar que estavam sendo escorraçados das terras pelo órgão. Um deles é João Raimundo, que seria o líder de uma associação dissidente, a Liberdade do Povo.

Na mesma audiência, o senador paraense Zequinha Marinho, do PSC, disse que a maioria dos fiscais do Ibama é de “esquerdistas que odeiam” Bolsonaro. O senador é um dos mais aguerridos defensores da nova política contra assentamentos da Amazônia. Um mês depois, Zequinha coordenou uma nova reunião no Senado, onde um fazendeiro pediu o afastamento (mais um) de Danilo Hoodson, que coordenou a reintegração do Virola, e da procuradora Thais Santi, que atua na defesa dos povos nativos da Amazônia.

Em 1999, em um dos primeiros encontros, Dorothy confidenciou à pesquisadora Noemi Miyasaka sua indignação perante o modelo de habitação da Amazônia. “Ela dizia que o esquema de colonização estava fadado à reconcentração de terras e à degradação ambiental e que teria que se gestar uma nova proposta de reforma agrária de cunho ambiental”, disse Miyasaka. Foi o que ela fez diante de colonos reticentes, que até então não haviam ouvido falar em produzir sem degradar a floresta.
Dorothy gestou, executou e defendeu com a própria vida um modelo de desenvolvimento sustentável e social para a Amazônia. Um modelo que está prestes a ruir.

Esta reportagem foi financiada pelo Fundo Brasil de Direitos Humanos.

 

Correção: 25 de novembro, 15h10

As fotos da devastação no PDS Virola-Jatobá foram feitas por Roberto Porro, da Embrapa. Os créditos erroneamente apontavam a autoria de servidores do Incra, que também estavam no local.

The post Dorothy Stang foi assassinada porque queria salvar a Amazônia. Esta é a sua segunda morte. appeared first on The Intercept.

Graphics from 4 empirical muckrakers – 3. Thomas Piketty — Modern Inequality

Published by Anonymous (not verified) on Mon, 25/11/2019 - 11:46am in

Tags 

Uncategorized

from Blair Fix I don’t think I need to say much about Thomas Piketty. He’s probably the most famous economist in the world. Since publishing Capital in the Twenty-First Century, he’s become an academic rock star. Many heterodox economists think Piketty’s theories of inequality are naive. I would be one of those economists. But this does not detract from […]

Economics — enslaved by the wrong theory

Published by Anonymous (not verified) on Mon, 25/11/2019 - 6:19am in

Tags 

Uncategorized

from Lars Syll The more I learned about economics, the more I discovered a landscape that is surpassingly strange. Like the land of Mordor, it is dominated by a single theoretical edifice that arose like a volcano early in the 20th century and still dominates the landscape. The edifice is based upon a conception of […]

Week-end Wrap – Political Economy – November 24, 2019

Published by Anonymous (not verified) on Mon, 25/11/2019 - 1:01am in

Tags 

Uncategorized

by Tony Wikrent
Economics Action Group, North Carolina Democratic Party Progressive Caucus

Strategic Political Economy

Mike Pompeo scorns the law because powerful men like him never have to follow it

Robert Fisk [Independent, via Naked Capitalism 11-22-19]Dylan Ratigan: The Super Rich Have No Country.

[YouTube, via Naked Capitalism 11-22-19]

“This is a 2 hour tour de force nailing down the failures of the media and Democrats on the GFC. Great explanation of the whole GFC too.”

Attempt to ‘Criminalize Basic Human Kindness’ Fails as Activist Scott Warren Found Not Guilty on All Charges

[Common Dreams, via Naked Capitalism 11-22-19]

The Carnage of Establishment Neoliberal Economics

The Long-Forgotten Flight That Sent Boeing Off Course

[Atlantic, via Naked Capitalism 11-21-19]

“A passion for affordability” became one of the company’s new, unloved slogans, as did “Less family, more team.” It was enough to drive the white-collar engineering union, which had historically functioned as a professional debating society, into acting more like organized labor. “We weren’t fighting against Boeing,” one union leader told me of the 40-day strike that shut down production in 2000. “We were fighting to save Boeing.”

….Stonecipher, who promptly affirmed: “When people say I changed the culture of Boeing, that was the intent, so that it’s run like a business rather than a great engineering firm.” A General Electric alum, he built a virtual replica of GE’s famed Crotonville leadership center for Boeing managers to cycle through….

The company that once didn’t speak finance was now, at the top, losing its ability to converse in engineering… It wasn’t just technical knowledge that was lost, Aboulafia said. “It was the ability to comfortably interact with an engineer who in turn feels comfortable telling you their reservations, versus calling a manager [more than] 1,500 miles away who you know has a reputation for wanting to take your pension away. It’s a very different dynamic. As a recipe for disempowering engineers in particular, you couldn’t come up with a better format.” ….

“If in fact there’s a reverse takeover, with the McDonnell ethos permeating Boeing, then Boeing is doomed to mediocrity,” the business scholar Jim Collins told me back in 2000. “There’s one thing that made Boeing really great all the way along. They always understood that they were an engineering-driven company, not a financially driven company . If they’re no longer honoring that as their central mission, then over time they’ll just become another company.”

A union of 60,000 aviation workers warned of more disasters like the 737 Max crashes if Congress doesn’t pass new rules on plane maintenance
[Business Insider, via Naked Capitalism 11-22-19]

 

How Neoliberal Thinkers Spawned Monsters They Never Imagined
Lynn Parramore [Institute for New Economic Thinking, , via Naked Capitalism 11-20-19]

Neoliberalism thus aims to de-regulate the social sphere in a way that parallels the de-regulation of markets.

Concretely this means challenging, in the name of freedom, not only regulatory and redistributive economic policy but policies aimed at gender, sexual and racial equality. It means legitimating assertions of personal freedom against equality mandates (and when corporations are identified as persons, they too are empowered to assert such freedom). Because neoliberalism has everywhere carried this moral project in addition to its economic one, and because it has everywhere opposed freedom to state imposed social justice or social protection of the vulnerable, the meaning of liberalism has been fundamentally altered in the past four decades.

That’s how it is possible to be simultaneously libertarian, ethnonationalist and patriarchal today….

Hayek really believed that markets and traditional morality were both spontaneous orders of action and cooperation, while political life would always overreach and thus required tight constraints to prevent its interventions in morality or markets. It also needed to be insulated from instrumentalism by concentrated economic interests, from aspiring plutocrats to the masses. The solution, for him, was de-democratizing the state itself. He was, more generally, opposed to robust democracy and indeed to a democratic state. A thriving order in his understanding would feature substantial hierarchy and inequality, and it could tolerate authoritarian uses of political power if they respected liberalism, free markets and individual freedom….

We need to understand why reaction to the neoliberal economic sinking of the middle and working class has taken such a profoundly anti-democratic form. Why so much rage against democracy and in favor of authoritarian statism while continuing to demand individual freedom? What is the unique blend of ethno-nationalism and libertarianism afoot today? Why the resentment of social welfare policy but not the plutocrats? Why the uproar over [American football player and political activist] Colin Kaepernick but not the Panama Papers [a massive document leak pointing to fraud and tax evasion among the wealthy]?

….corporate dominance of elections becomes possible when political life as a whole is cast as a marketplace rather than a distinctive sphere in which humans attempt to set the values and possibilities of common life. Identifying elections as political marketplaces is at the heart of Citizens United.

These critiques of neoliberalism are always welcome, but they inevitably leave me with irritated and dissatisfied with their failure or unwillingness to mention the political philosophy of republicanism as an alternative, or even a contrast.

The key is found in Brown’s statement ” It also needed to be insulated from instrumentalism by concentrated economic interests, from aspiring plutocrats to the masses. The solution, for him [von Hayek], was de-democratizing the state itself. He was, more generally, opposed to robust democracy and indeed to a democratic state.”

Contrast this to Federalist Paper No. 10, Madison’s famous discourse on factions. Madison writes that 1) factions always arise from economic interests [“But the most common and durable source of factions has been the various and unequal distribution of property.”], and 2) therefore the most important function of government is to REGULATE the clash of these factions [“The regulation of these various and interfering interests forms the principal task of modern legislation, and involves the spirit of party and faction in the necessary and ordinary operations of the government.”

In a very real sense, neoliberalism is an assault on the founding principles of the American republic.

Which should not really surprise anyone, since von Hayek was trained as a functionary of the Austro-Hungarian empire. And who was the first secretary of the Mont Pelerin Society that von Hayen founded to promote neoliberalist doctrine and propaganda? Non other than Max Thurn, of the reactionary Bavarian Thurn und Taxis royal family.

Economic disequilibrium

THE UNITED STATES OF INEQUALITY: A TIMELINE
[Capital & Main, via Naked Capitalism 11-18-19]

THE PRICE AIN’T RIGHT: AN ECONOMIC INEQUALITY QUIZ

[Capital & Main, via Naked Capitalism 11-22-19]

[Graphic below via The Big Picture 11-21-19]

OK Obama, It’s Time to Cancel Centrism
[TruthDig, via Naked Capitalism 11-22-19]

Centrists are terrified that if the Democratic nominee is far to the left of Biden and Obama, they will be forced to coalesce around a candidate who represents a threat to the establishment of which they are a part. The unflappable Sanders brushed aside Obama’s criticism in an interview with The New York Times, saying, “When I talk about raising the minimum wage to a living wage, I’m not tearing down the system. We’re fighting for justice.”

….American politics have tilted our economic system so far in favor of wealthy elites—and this has been by and large a bipartisan project—that establishment lawmakers are really the ones guilty of “tearing down” a modest (if flawed) system that once upon a time distributed riches more fairly….

The billionaire Wall Street executive Leon Cooperman has complained bitterly about his pariah status, saying, “What is wrong with billionaires? You can become a billionaire by developing products and services that people will pay for,” as if that’s all it took for him to gather his disgustingly large fortune. Cooperman conveniently left out the unfair tax rates, offshore tax havens, taxpayer subsidies and all the other ways in which the government rigs the system to favor people like him at our expense. He denounced Warren’s wealth tax, saying, “I believe in a progressive income tax and the rich paying more. But this is the fucking American dream she is shitting on.”

Raj Chetty in 14 charts: Big findings on opportunity and mobility we should all know
[Brookings, January 11, 2018]
From a couple years ago, but the charts are stunning and graphic evidence of the calcification of economic opportunity in USA, as we lose our grasp on the republic and devolve into a plutocracy managed by a “professional class” oligarchy.  Why would anyone want to preserve this status quo if they’re not members of the ruling elite?

 

 


How FedEx Cut Its Tax Bill to $0

[New York Times 11-17-19]

….FedEx’s founder and chief executive, Frederick Smith, who repeatedly took to the airwaves to champion the power of tax cuts. “If you make the United States a better place to invest, there is no question in my mind that we would see a renaissance of capital investment,” he said on an August 2017 radio show hosted by Larry Kudlow, who is now chairman of the National Economic Council….

FedEx’s financial filings show that the law has so far saved it at least $1.6 billion. Its financial filings show it owed no taxes in the 2018 fiscal year overall. Company officials said FedEx paid $2 billion in total federal income taxes over the past 10 years….

As for capital investments, the company spent less in the 2018 fiscal year than it had projected in December 2017, before the tax law passed. It spent even less in 2019. Much of its savings have gone to reward shareholders: FedEx spent more than $2 billion on stock buybacks and dividend increases in the 2019 fiscal year, up from $1.6 billion in 2018, and more than double the amount the company spent on buybacks and dividends in fiscal year 2017….

FedEx’s use of its tax savings is representative of corporate America. Companies have already saved upward of $100 billion more on their taxes than analysts predicted when the law was passed. Companies that make up the S&P 500 index had an average effective tax rate of 18.1 percent in 2018, down from 25.9 percent in 2016, according to an analysis of securities filings… From the first quarter of 2018, when the law fully took effect, companies have spent nearly three times as much on additional dividends and stock buybacks, which boost a company’s stock price and market value, than on increased investment.

And, from the comments to the NYT article:

My friend is a FedEx driver, or so I thought. He wears a FedEx uniform and drives a FedEx truck, but he works for a third party delivery service. He said he’s the lucky one. FedEx classified his colleagues delivering FedEx packages as independent contractors, gig workers with no worker’s compensation if they get hurt or need major rehabilitation. They can be fired at will without the right to unemployment insurance as a buffer to homelessness while they look for a new position. The gig drivers don’t have paid family leave or sick days, so they better bank a nest egg small business owners who to amass. But alas, they aren’t small business owners, they’re gig workers making Smith and other oligarchs rich. Attire is the only thing robber barons change from one generation to the next.

“Is Your Employer Stealing From You?”

[GQ, via Naked Capitalism 11-18-19]

“Wage theft isn’t one of the crimes most prosecutors and politicians refer to when they talk about getting “tough on crime,” but it represents a massive chunk of all theft committed in the U.S. A 2017 study by the Economic Policy Institute (EPI) found that in the ten most populous states, an estimated 2.4 million people lose a combined $8 billion in income every year to theft by their employers. That’s nearly half as much as all other property theft combined last year—$16.4 billion according to the FBI. And again, EPI’s findings are only for ten states. According to the institute, the typical worker victimized by minimum-wage violations is underpaid by $64 per week, totaling $3,300 per year. If its figures are representative of a national phenomenon, then EPI estimates that the yearly total for American wage theft is closer to $15 billion.”

Predatory Finance

Federal Reserve minutes of Federal Open Market Committee meeting of October 29-30, 2019
[via Wall Street on Parade, November 21, 2019]

“The staff presented two potential approaches for conducting repo operations if the Committee decided to maintain an ongoing role for such operations. Under the first approach, the Desk would conduct modestly sized, relatively frequent repo operations designed to provide a high degree of readiness should the need for larger operations arise; under the second approach, the FOMC would establish a standing fixed-rate facility that could serve as an automatic money market stabilizer. Assessing these two approaches involved several considerations, including the degree of assurance of control over the federal funds rate, the likelihood that participation in the Federal Reserve’s repo operations could become stigmatized, the possibility that the operations could encourage the Federal Reserve’s counterparties to take on excessive liquidity risks in their portfolios, and the potential disintermediation of financial transactions currently undertaken by private counterparties. Regular, modestly sized repo operations likely would pose relatively little risk of stigma or moral hazard, but they may provide less assurance of control over the federal funds rate because it might be difficult for the Federal Reserve to anticipate money market pressures and scale up its repo operations accordingly. A standing fixed-rate repo facility would likely provide substantial assurance of control over the federal funds rate, but use of the facility could become stigmatized, particularly if the rate was set at a relatively high level. Conversely, a standing facility with a rate set at a relatively low level could result in larger and more frequent repo operations than would be appropriate. And by effectively standing ready to provide a form of liquidity on an as-needed basis, such a facility could increase the risk that some institutions may take on an undesirably high amount of liquidity risk.”

[Below Twitter, , via Naked Capitalism 11-19-19]

Ian Fraser


✔@Ian_Fraser

 

How 37 U.S. banks became just four megabanks in the space of two decades http://realitieswatch.com/37-banks-became-4-just-2-decades-one-astonishing-chart/ …

“Bernanke: Some Wall Street executives should’ve gone to jail over financial crisis” 
[Los Angeles Times, via Naked Capitalism 11-18-19]

“Former Federal Reserve Chairman Ben Bernanke says some Wall Street executives should have gone to jail for their roles in the financial crisis that gripped the country in 2008 and triggered the Great Recession…. Bernanke said he thinks that in addition to the corporations, individuals should have been held more accountable…. “It would have been my preference to have more investigations of individual actions because obviously everything that went wrong or was illegal was done by some individual, not by an abstract firm,” Bernanke said.” Asked if someone should have gone to jail, the former Fed chairman replied, “Yeah, I think so.” He did not, however, name any individual he thought should have been prosecuted, and he noted that the Federal Reserve is not a law-enforcement agency.”

Lambert Strether comments: “Thanks, Obama. Liberal Democrats frothing and stamping about the rule of law should consider this. Nobody takes them seriously about the rule of law, because when they had the chance to enforce it — and the country would have been with them, all the way, across the politcal spectrum — they didn’t govern. And all the people so derelict in their duty are still in charge, respected party elders, and very well-paid opinion-havers.”

Restoring Balance to the Economy

New Jersey Gov. Phil Murphy orders a task force to set up a public bank
[Public Banking Institute 11-18-19]

On Wednesday, November 13, NJ Gov. Phil Murphy moved forward on his campaign pledge to create a state-owned bank by signing an executive order for a 14-member “Public Bank Implementation Board.” Tasks assigned to the Board include developing a business plan, consulting with public banking experts, and holding at least three public meetings. The Board must release its plan within a year.

Climate and environmental crises

In the Great Lakes’ most productive fishing grounds, algae-fueled dead zones are eroding livelihoods

[Chicago Tribune, via Naked Capitalism 11-18-19]

After decades of pollution, habitat degradation, overfishing and numerous waves of invasive species, Lake Erie is still the most productive fishery in the Great Lakes and among the most valuable natural resources in the United States. Its reputation as the most fertile fishing ground in the region is owed to its warm, shallow waters that allow algae, the base of the aquatic food chain, to thrive. The algae serves as the base of the food chain for small fish and is among the reasons why Lake Erie, which only holds 2% of the Great Lakes water volume, cradles roughly 50% of the fish.

Global heating supercharging Indian Ocean climate system

[Guardian, via Naked Capitalism 11-20-19]

“LBA-ECO LC-14 Modeled Deforestation Scenarios, Amazon Basin: 2002-2050”
[ORNL DAC, via Naked Capitalism 11-21-19]

“We Need to Talk About Peat”
[Nautilus, via Naked Capitalism 11-21-19]

“Peatlands have been a repository for eons and a source of hearth fuel for thousands of years. They’ve been known as a carbon sink for about a century, certainly since the 1890s when carbon dioxide was understood to be a greenhouse gas. Peatlands cover just 3 percent of the earth’s land surface yet hold five times more carbon dioxide than forests, which cover 31 percent of the land surface. In Europe, peatlands contain five times more CO2 than forests…. Peatlands are waterlogged landscapes—from bogs to wetlands to swamps—composed of various plants. Peat is the coarse soil, which we know from our potting mixes, that makes up the surface. Because the underlying plants haven’t decayed in the watery areas, they contain huge amounts of carbon, fixed in them by photosynthesis. As a result, peatlands play an important role as carbon sinks, keeping excessive greenhouse gases out of the atmosphere.”

“Coal Knew, Too”

[Huffington Post, via Naked Capitalism 11-22-19]

In August, Chris Cherry, a professor in the Department of Civil and Environmental Engineering at the University of Tennessee, Knoxville, salvaged a large volume from a stack of vintage journals that a fellow faculty member was about to toss out. He was drawn to a 1966 copy of the industry publication Mining Congress Journal; his father-in-law had been in the industry and he thought it might be an interesting memento.\

Cherry flipped it open to a passage from James R. Garvey, who was the president of Bituminous Coal Research Inc., a now-defunct coal mining and processing research organization.

“There is evidence that the amount of carbon dioxide in the earth’s atmosphere is increasing rapidly as a result of the combustion of fossil fuels,” wrote Garvey. “If the future rate of increase continues as it is at the present, it has been predicted that, because the CO2 envelope reduces radiation, the temperature of the earth’s atmosphere will increase and that vast changes in the climates of the earth will result.”

Economics in the real world

“Many Americans Over 65 Face Economic Insecurity, Even If They’re Healthy”
[Bloomberg, via Naked Capitalism 11-19-19]

“The majority of Americans living alone are at risk of not being able to pay for basic needs. That’s according to new estimates of financial insecurity among Americans 65 and older from the Gerontology Institute at the University of Massachusetts Boston. The Elder Index calculated by the university and other researchers tracks the income needed for older adults in good health. It shows that on average a single person without a mortgage requires $21,012 per year to pay for basic needs, or $31,800 per couple. Regional price variations change the estimates significantly.”

Health Care Crisis

“The Effect of Large-scale Health Coverage Expansions in Wealthy Nations on Society-Wide Healthcare Utilization” 

Adam Gaffney, Steffie Woolhandler, David Himmelstein [Journal of General Internal Medicine, via Naked Capitalism 11-21-19]

From the abstract: “We reviewed the effects of 13 universal coverage expansions in capitalist nations on physician and hospital utilization, beginning with New Zealand’s 1938 Social Security Act up through the 2010 Affordable Care Act in the USA. Almost all coverage expansions had either a small (i.e., < 10%) or no effect on society-wide utilization. However, coverage expansions often redistributed care—increasing use among newly covered groups while producing small, offsetting reductions among those already covered. We conclude that in wealthy nations, large-scale coverage expansions need not cause overall utilization to surge if provider supply is controlled. However, such reforms could redirect care towards patients who most need it.”

Information Age Dystopia

A Paranoid Guide to Fighting the ‘Bugging Epidemic’ 

[NYT, via Naked Capitalism 11-17-19]Warren Raises ‘Corruption’ Alarm After Trump, Zuckerberg, and Thiel Hold Secret White House Meeting

[Common Dreams, via Naked Capitalism 11-22-19]Facebook and Google’s pervasive surveillance poses an unprecedented danger to human rights

[Amnesty International, via Naked Capitalism 11-22-19]

“Zombie Miles And Napa Weekends: How A Week With Chauffeurs Showed The Major Flaw In Our Self-Driving Car Future’ 
[Jalopnik, via Naked Capitalism 11-18-19]

“Some surveys predicted only a few percentage points increase in [Vehicle Miles Traveled (VMT)] in a self-driving car future. Others, upwards of 90 percent. “[Mustapha Harb’s] advisor, Professor Joan Walker, had an idea. What if they hired chauffeurs to drive random people around? The chauffeur, Walker outlined, will do the driving for you. And, just like the most optimistic AV future of fully autonomous robot cars zooming around, you don’t even have to be in the car. ‘All these things the self-driving car can do for you in the future,’ Harb summarized, ‘a chauffeur can do for you today.’… Using 13 volunteers (a very small sample size due to budgetary constraints) from the San Francisco Bay Area who owned cars, Harb and his team studied their travel patterns using GPS trackers on their cars and phones for one week, then gave them a chauffeur for a week who would drive the participants’ personal vehicles for them….. The subjects increased how many miles their cars covered by a collective 83 percent when they had the chauffeur versus the week prior…. To put these findings in perspective, when researchers looked into the impact Uber and Lyft have had on urban congestion, they reported an increase in VMT in the single digits. San Francisco, which has seen some of the largest percentage increase of cars driving around in its downtown thanks to Uber and Lyft, had an increased VMT of 12.8 percent.”

 

Time Machines and Species Failure
[No Mercy, No Malice 11-15-19]

Facebook is now squarely in the red and a net negative for society. The social network held the promise of enhancing our time here, via connection, and has delivered on much of that. However, most time enhancement has been negated, as the social network is depressing our teens and endangering our most precious asset, girls. Teen suicide has skyrocketed — up 77% for older teen girls and up 151% for younger teens (research by colleague Jonathan Haidt).

There are many factors, but ground zero is the nuclear weapons we’ve put in girls’ hands to objectify them, perpetually undercut their self-esteem, and enable them to bully each other relationally, 24/7. Hospital admissions due to self-harm are up 50% for 15-19-year-old girls and up 200% for 10-14-year-old girls. At Facebook, a sociopath is wallpapered over by a 700-person corporate communications department and a $2 billion beard (Sheryl Sandberg).
The Dow, GDP, the Iowa polls. We are studying to the wrong tests. There is nothing more important for the future of the country, our society, and the planet than the health and wellbeing of girls. Think about this. The S&P is up 23% YTD, and the number of girls that decide to take their own life is up 151%. Three times more of them self-harm. The pursuit of money at the expense of girls’ wellbeing is the ultimate perversion of our society.

We Need to Fix Online Advertising. All of It. For the sake of democracy. 
[Slate, via The Big Picture 11-20-19]

Collapse of a free press

“How the Charleston Gazette-Mail overcame bankruptcy, layoffs and management changes to double digital subscriptions” 

[Poynter, via Naked Capitalism 11-18-19]

“But the changes that got the Gazette-Mail there were also fairly simple – a tightened paywall, aggressive subscription offers, collaboration across departments, national partnerships and a newsroom that’s starting to embrace its role in saving itself.”

Lambert Strether: “This is very interesting. Local newspapers do not have to die (though local ownership is important).”“The Urgent Need for Worker-Owned Media”

[Current Affairs, via Naked Capitalism 11-18-19]

 “The [Deadspin] writers wanted money too, and the owners were just the kinds of scummy vulture capitalists who don’t actually understand the companies they buy… I am reminded here of Maureen Tkacik’s excellent reporting on Boeing, where a similar thing had happened. The people in charge of the company had no idea how it ran or how to make airworthy planes… The biggest threat to journalism today is not “technology.” Journalists can innovate ways to use technology to produce excellent new work, and even to get people to pay for it. The big problem is ownership: The journalists don’t own the companies. … If we are to stand a chance of having quality independent media, we must build the worker-owned, reader-funded model.

How the Collapse of Local News Is Causing a ‘National Crisis’

[NYT, via Naked Capitalism 11-22-19]
Summary of the report, “Losing the News: The Decimation of Local Journalism and the Search for Solutions,”Newsonomics: By selling to America’s worst newspaper owners, Michael Ferro ushers the vultures into Tribune
[Nieman Lab, via Naked Capitalism 11-22-19]
The collapse of the information ecosystem poses profound risks for humanity
[The Guardian, via The Big Picture 11-20-19]

The viral spread of misinformation, widening news deserts and the proliferation of fake news will threaten life as we know it

Disrupting mainstream politics

[Twitter below, via Naked Capitalism 11-18-19]

Alexandria Ocasio-Cortez✔@AOC

I want to be the party of the New Deal again.

The party of the Civil Rights Act,
the one that electrified this nation and fights for all people.

For that, many would call us radical.
But we aren’t “pushing the party left,”
we are bringing the party home.

“Why Los Angeles Teachers Endorsed Bernie” (interview) 
Arlene Inouye [Jacobin, via Naked Capitalism 11-19-19]

“We wanted to shape history this time, rather than have it shape us. We learned from the process in 2016 about what happens when our national affiliates — NEA [National Education Association] and AFT [American Federation of Teachers] — do an early endorsement of a candidate — Hillary Clinton — without having a sense of the pulse of the membership. Fortunately, this year the affiliates have learned from that experience, and they are surveying members and providing candidate forums for input.”

What to do if you’re exposed to tear gas 
[Popular Science, via Naked Capitalism 11-21-19]

Facebook
Twitter
Google+
WhatsApp
LinkedIn

Câmara foi racista ao passar pano em racismo de deputados do PSL

Published by Anonymous (not verified) on Sun, 24/11/2019 - 10:12pm in

Tags 

Uncategorized

tadey3-1574593811

O deputado Coronel Tadeu (PSL) arranca cartaz com charge de Carlos Latuff em trasmissão ao vivo no Twitter.

Foto: Reprodução

Os deputados do PSL têm se sentido cada vez mais à vontade para barbarizar a vida política brasileira. Até o ano passado, Jair Bolsonaro era um dos poucos parlamentares que usava o mandato para expressar seu desprezo pelos valores democráticos. Com o bolsonarismo, isso virou padrão. Todo dia tem um figurão do PSL xingando opositores, atacando as instituições, perseguindo jornalistas, exaltando assassinos e fazendo ameaças de todo tipo contra a democracia. A coisa já está fora de controle.

Essa semana, deputados do partido cometeram algumas barbaridades que não podem passar impunes. Em São Paulo, o deputado estadual Frederico D’Avila propôs uma homenagem a Augusto Pinochet, o ditador que aterrorizou o Chile por quase trinta anos e foi condenado internacionalmente por terrorismo e genocídio. Mas isso está dentro do que se espera da extrema-direita brasileira. A novidade é que agora há deputados expressando de forma direta e clara o racismo que antes estava camuflado.

Na Câmara dos Deputados, na véspera do dia da Consciência Negra, o Coronel Tadeu vandalizou uma exposição contra o racismo. Ele não gostou de uma obra que denunciava os assassinatos de jovens negros cometidas pela polícia e resolveu destruí-la. Outro deputado, Daniel Silveira, um dos que destruiu a placa de Marielle Franco saiu em defesa do coronel Tadeu, subindo mais alguns degraus no racismo: “Há mais negros com arma, mais negros cometendo crime, mais negros confrontando a polícia, mais negros morrem. (…) Não venha atribuir à polícia mortes porque um negrozinho bandidinho tem que ser perdoado”. Essa foi a declaração mais escancaradamente racista que já se ouviu no plenário da Câmara.

Pouco antes do vandalismo racista de Tadeu, Silveira gravou um vídeo em frente à obra que seria destruída e falou “o que me incomoda mais é esse jovem com a camisa que faz alusão ao pavilhão nacional algemado como se o policial o tivesse executado sumariamente esse jovem já preso. O que é um absurdo e um escárnio contra imagem da Polícia Militar. Vamos tomar todas as medidas para retirar. Isso não pode permanecer aqui”.

A charge é de 2013, mesmo ano em que o ajudante de pedreiro Amarildo, negro, foi preso, torturado, morto e teve seu corpo ocultado por policiais militares. É uma prática comum de maus policiais, que sabemos não serem poucos. Casos como o de Amarildo pipocam aos montes dos noticiários, mas outros tantos nós nem ficamos sabendo. Há uma cultura de violência e racismo impregnada na Polícia Militar, que é reflexo do país. Silveira quer silenciar o debate sobre racismo na corporação, justamente numa casa dos debates públicos. Os pitbulls do PSL não querem saber de democracia e querem impor os valores bolsonaristas na marra.

Já o coronel justificou a sua ação sem negar a existência do genocídio. Para ele, se a maioria das periferias é composta por negros — um fato racista em si —, logo é natural que haja mais mortes de negros associados ao tráfico. Tadeu finge ignorar Ágatha, Jenifer, Kauê, Kauan, Katelen e tantas outras crianças negras assassinadas neste ano que não tinham qualquer ligação ao tráfico. Quando todas as crianças assassinadas por policiais durante a guerra ao tráfico são negras, que nome dar a isso senão genocídio? A morte de crianças é tratada como efeito colateral.

Alguma dúvida de que Silveira e Tadeu jamais apoiariam tiroteios diários no Vivendas da Barra? Onde crianças brancas conviviam com criminosos de alta periculosidade fortemente armados como Ronnie Lessa? Quem trata assassinatos em série de crianças negras apenas como um efeito colateral infeliz é racista. A revolta contra quem denuncia essa realidade também é genuinamente racista. Não há meio termo. Qualquer tentativa de tratar isso com eufemismos será conivente com o racismo.

A violência com que Tadeu e Silveira reagiram a um protesto feito em um cartaz nos faz pensar que tipo de ex-policiais eles foram. Se reagem com violência a uma charge estampada em um cartaz, não é difícil imaginar como agiam com armas na mão durante operações policiais. E a mensagem que passam para os atuais integrantes da corporação é a de que estão no caminho certo. E para os negros há também um recado embutido: vocês vão continuar enterrando seus filhos.

Políticos de extrema-direita, claro, saíram em defesa dos seus comparsas de racismo. Os de esquerda organizaram um ato em protesto na Câmara e entraram com uma representação na Procuradoria-Geral da República contra os deputados por quebra de decoro e racismo. Mas e a turma dita moderada de centro, centro-direita e direita? Fizeram apenas criticadas moderadas, protocolares, tratando essa selvageria como uma quebra de decoro qualquer. É incrível que a luta contra o racismo, que deveria ser uma bandeira empunhada por todos os políticos decentes, tenha virado uma pauta identificada com as esquerdas.

João Amoêdo e o partido Novo, por exemplo, que apoiam quase que integralmente o bolsonarismo nas votações na Câmara mas tentam escapar da pecha extremista, se calaram. Além de não postarem nenhuma mensagem sobre o Dia da Consciência Negra, não repudiaram os atos racistas dos seus aliados. Um silêncio bastante conveniente com quem se preocupa apenas com a economia, mas pretende posar de moderado. E nós sabemos que quem cala diante da opressão se coloca automaticamente ao lado do opressor.

Rodrigo Maia repudiou o ato do Coronel Tadeu, mas não deu a devida gravidade para o caso. Não apontou o caráter racista do episódio e o chamou de “ato impensado em um momento de mais nervosismo do deputado”. Entendo que, como presidente da Câmara, Maia tem o papel de não acirrar mais os ânimos. Mas o combate ao racismo é inegociável. Não é possível que isso seja tratado como uma infelicidade de um colega. A obrigação de um presidente da Câmara realmente comprometido na luta contra o racismo seria encampar um movimento pela cassação dos parlamentares.

A escalada do neofascismo no Brasil é uma realidade. Em entrevista para a Deutsche Welle, a antropóloga Adriana Dias apontou a existência de 334 células nazistas no país, com pelo menos 5 mil integrantes ativos. Os grupos se concentram no sul e sudeste, mas estão se expandindo para o centro-oeste. Segundo ela, “a sociedade brasileira está nazificando-se. As pessoas que tinham a ideia de supremacia guardada em si viram o recrudescimento da direita e agora estão podendo falar do assunto com certa tranquilidade. Precisamos abordar o tema para ativar o sinal de alerta. Justamente para não dar palanque a essas ideias, precisamos falar sobre criminalização de movimentos de ódio e resgatar a questão crucial: compartilhar humanidades”.

Não há nenhuma dúvida de que esses grupos se identificam com o bolsonarismo. É esse o contexto social que envolve os atos racistas no parlamento. Como a Câmara vai reagir? Punirá exemplarmente atos racistas com cassação ou irá empurrar para debaixo do tapete tratando a barbárie como infelicidade? O Conselho de Ética da Câmara vai tolerar racismo explícito em plenário?

Enquanto a Câmara não exercer um controle interno rigoroso para punir ataques contra valores democráticos fundamentais, os limites ficarão cada vez menos claros e as práticas fascistoides cada vez mais naturalizadas. Passar pano para o racismo de gente com mandato público é, na prática, incentivar a perpetuação das práticas racistas na sociedade. É fechar os olhos para as crianças negras assassinadas pela polícia e minimizar o apartheid brasileiro.

The post Câmara foi racista ao passar pano em racismo de deputados do PSL appeared first on The Intercept.

The origins of MMT

Published by Anonymous (not verified) on Sun, 24/11/2019 - 6:15am in

Tags 

Uncategorized

from Lars Syll Many mainstream economists seem to think the idea behind Modern Monetary Theory is new and originates from economic cranks. New? Cranks? How about reading one of the great founders of neoclassical economics – Knut Wicksell. This is what Wicksell wrote in 1898 on ‘pure credit systems’ in Interest and Prices (Geldzins und Güterpreise), 1936 […]

Writing millions out of our pensions system will hit the poorest hardest

Published by Anonymous (not verified) on Sat, 23/11/2019 - 7:00pm in

News has leaked that Boris Johnson is to write millions of people out of making national insurance contributions. This would be the result of increasing the minimum contribution threshold to the weekly equivalent of £12,500 a year, which Sajid Javid has stated that is an ‘ambition’ which would ‘not necessarily’ be reached by the end of a parliament.

The gains to those making payments will be small. I am not
saying nearly £500 a year is insignificant when you’re earning £12,500 a year:
it very clearly is. But let’s be clear, it’s not only they who will gain. This
benefit will, unless compensated for, go right up the income order to those who
clearly have nothing to do with reducing a charge on those least well off in
our society. It’s certain that most gains will, then, go to those not in
greatest need.

And what matters at least as much as any gain to those on
the lowest incomes is the state pension and other benefit consequences of this.
These are massive, and all at cost to those who Johnson says should gain from
this proposal.

Our state pension entitlement is still based on the number
of years of earned income a person has national insurance contribution made.
Technically this is not quite the same as making national insurance
contributions, but the limits used for appraisal are closely linked to the
national insurance system. And whilst I know there are compensatory benefits
such as pension credit, but that’s not the point. Such benefits come and go. So
far no one has been trying to get rid of the state old age pension, even if its
value has been eroded. And now large numbers of people might have their
entitlement substantially curtailed if, as I would expect, the pension
entitlement threshold increase along with those for national insurance
contributions. How convenient is that for a government wishing to curtail
benefits and shrink what they think to be the welfare state?

And this is not the only issue. It now seems that many
entitlements are based on being able to prove work has been done. Even the
right to stay in the UK can now be based on this. And now many people will not
need to be on payrolls, at least as far as their employers are concerned,
 and may well not have contribution records as a result and so will have
no recourse to this evidence in the event of disputes on such issues. Where
does that leave the vulnerable? More vulnerable is the very least of the
answers to be provided.

I do not have a problem with reducing NIC on those on the
lowest pay. But I mean reducing it and not eliminating it until such time as
dependence on a payment record is also removed and proof that a person has
worked as a measure of a contribution to society is eliminated.

And I do have a problem with this being lauded when very
large tracts of income – from investment sources – attract no national
insurance at all and so provide ample opportunities for tax avoidance for those
recategorising their earnings.

There is a fundamental flaw in Johnson’s plan and that is it
is designed to attack those most vulnerable in our society. That’s typical. It
also needs to be said. This plan stinks of privilege with an indifference to
need. That’s why I oppose it as he’s presented, and as he’s likely to present
it.

Photo credit: Flickr/George Grinsted.

The post Writing millions out of our pensions system will hit the poorest hardest appeared first on The Progressive Economy Forum.

Peter Handke ganhou o prêmio Nobel após dois jurados caírem em teoria da conspiração sobre a guerra na Bósnia

Published by Anonymous (not verified) on Sat, 23/11/2019 - 4:03pm in

Tags 

Uncategorized

Esta história é sobre uma teoria da conspiração que nasceu nos anos 90, hibernou na obscuridade por duas décadas e, em 2019, parece ter enganado os jurados a conceder o Prêmio Nobel de Literatura a Peter Handke, que negou o genocídio de muçulmanos na Bósnia, pelas mãos dos sérvios.

A versão curta é que dois jurados do Nobel, respondendo às críticas globais sobre a escolha do escritor nascido na Áustria, deram um passo incomum no mês passado, divulgando as fontes que consultaram enquanto decidiam. Um dos jurados, Henrik Petersen, citou um livro de um autor pouco conhecido, Lothar Struck, que vive em Düsseldorf e contribui para uma revista literária online. Outro jurado, Eric Runesson, disse ter se baseado em um livro do historiador Kurt Gritsch, de Innsbruck. Nenhum dos livros foi traduzido do alemão para o inglês e eles têm apenas um punhado de citações na versão alemã do Google Acadêmico.

Os livros de Struck e Gritsch defendem o extremo ceticismo de Handke sobre as atrocidades sérvias e endossam o seu argumento de que as notícias da década de 90 eram injustas para os sérvios. Os livros têm um tom confiante e, aparentemente, os jurados do Nobel concluíram que Handke era justificado em sua simpatia escrita e gestual pelo lado sérvio (que incluía um tributo no funeral do líder sérvio Slobodan Milosevic, em 2006, após ele morrer de um ataque cardíaco enquanto aguardava julgamento por acusações que incluíam genocídio).

PETER HANDKE

Handke antes de seu discurso no funeral do falecido líder sérvio Slobodan Milosevic em Pozarevac, Sérvia, em 18 de março de 2006.

Foto: Petar Pavlovic/AP

Mas esses dois livros têm uma falha enorme que os jurados do Nobel aparentemente não reconheceram. Ambos apoiam uma teoria da conspiração que afirma que uma empresa de publicidade americana, a Ruder Finn Global Public Affairs, planejou uma campanha para inflar atrocidades sérvias e, assim, mudar a opinião dos EUA contra os sérvios. De acordo com a fraca teoria sobre a guerra da Bósnia que esses livros adotam, a narrativa aceita das imensas e unilaterais atrocidades por parte dos sérvios foi em grande parte consequência de uma campanha enganosa de publicidade, em vez de eventos reais. Gritsch menciona a agência Ruder Finn cerca de 20 vezes em seu livro “Peter Handke and ‘Justice for Serbia’”, dedicando um breve capítulo a ela. Struck, cujo livro é intitulado “The One With His Yugoslavia”, foi tão tomado pela ideia envolvendo a Ruder Finn que publicou um suplemento digital que consiste em – de maneira surpreendente – documentos de divulgação que a empresa apresentou ao governo dos EUA.

Como escreveu Gritsch: “Devido a vários ressentimentos e uma posição anti-sérvia e pró-muçulmana já existente entre muitos jornalistas, a tese desenvolvia que o lado sérvio (e apenas o lado sérvio) estava operando campos de extermínio no conflito iugoslavo, e depois disso, a agência de relações públicas Ruder Finn divulgou essa teoria, colocando em circulação as notícias dos campos de concentração sérvios.” Gritsch acrescentou que, depois de surgirem as primeiras fotos e vídeos dos campos sérvios, “o uso de termos emocionalmente carregados como ‘limpeza étnica’,” ‘campos de concentração’ etc., pode ser atribuído à agência de relações públicas Ruder Finn”.

Esta é uma enorme reescrita da história. Os primeiros artigos sobre os campos sérvios ganharam a atenção do público por conta própria em agosto de 1992: foi um acontecimento espetacular que não precisava de nenhum empurrão de uma empresa de publicidade. Investigações subsequentes, artigos e julgamentos por crimes de guerra provaram que os campos eram ainda piores do que os primeiros relatórios foram capazes de detalhar. E a frase “limpeza étnica” foi amplamente utilizada desde o início da guerra, em abril de 1992, quando milícias sérvias invadiram cidades da Bósnia e mataram ou expulsaram os muçulmanos de lá.

“É um completo absurdo”, disse Marshall Harris, especialista sobre a Bósnia no Departamento de Estado quando a guerra eclodiu. Harris, que renunciou ao cargo para protestar contra a falta de ação dos EUA no início do conflito, liderou uma coalizão de ativistas proeminentes na Bósnia e interagiu com a agência Ruder Finn. “Os EUA intervieram nos Bálcãs por causa de Slobodan Milosevic. O objetivo de atribuir grande sucesso em influenciar a política dos EUA nos Bálcãs a uma boa, mas pequena empresa de relações públicas, com alcance político limitado, minimiza a gravidade e o escopo do genocídio.”

A teoria é tão bizarra que é difícil encontrar estudiosos familiarizados com ela. Michael Sells, professor da Universidade de Chicago, autor do livro “The Bridge Betrayed: Religion and Genocide in Bosnia”, publicado em 1996,  notou nacionalistas sérvios mencionando Ruder Finn nos fóruns da internet durante a guerra, mas ficou surpreso ao saber, quando contatado pelo The Intercept, que a empresa estava sendo discutida agora como um fator importante ou mesmo menor no conflito. “As coisas eram tão impressionantes e claras sobre o que estava acontecendo na Bósnia, de tantas fontes diferentes, que não consigo imaginar como a Ruder Finn poderia ter influenciado de qualquer maneira”, disse ele.

A teoria da conspiração sobre a Ruder Finn circula nas entranhas da internet por quase tanto tempo quanto a web existe. Embora um pequeno número de livros e artigos em defesa dos sérvios a destaque, basicamente não há trabalhos respeitáveis que deem crédito à teoria. A proposição de que era injusto definir os sérvios como os principais culpados na Bósnia – e que uma empresa de relações públicas relativamente pequena criou esse mito e fez com que todos acreditassem nele – é totalmente louca. Até Jacques Merlino, o jornalista francês cuja entrevista em 1993 com um executivo da Ruder Finn deu origem à teoria, parece surpreso com o quão longe ela foi. “Eu sei que eles fizeram o trabalho deles, mas não sei se foi particularmente eficaz”, ele escreveu em e-mail ao Intercept.

Ainda assim, dois jurados do Prêmio Nobel de Literatura dizem ter se baseado em livros que vendiam essa teoria da conspiração a serviço da absolvição de Handke.

 

A melhor maneira de contar essa história bizarra é voltando à sua origem, em 24 de abril de 1993. Foi nesta data que Merlino chegou ao escritório de James Harff, executivo da Ruder Finn em Washington, DC.

Harff trabalhou em nome do governo sitiado da Bósnia, que na época tentava impedir a derrota das forças sérvias que haviam atacado o país em 1992 e confiscado 70% de seu território, assassinando ou expulsando muçulmanos em seu caminho. O trabalho de Harff era conversar com jornalistas e políticos sobre a guerra, que em 1993 alcançou um impasse quando as milícias sérvias cercaram a capital de Sarajevo e outras cidades, incluindo Srebrenica.

Conforme Harff lembra, a entrevista não durou muito e não foi gravada. Mas, no final de 1993, Merlino publicou um livro na França, “The Truths From Yugoslavia Are Not All Easy to Tell”, que continha um capítulo sobre a Ruder Finn. O livro mencionava Harff se vangloriando do fato de que sua empresa de relações públicas havia “enganado” três grandes organizações judaicas para apoiar o governo da Bósnia, virando a maré da opinião pública. Segundo o livro de Merlino, Harff disse que a Ruder Finn havia divulgado relatos de campos de concentração sérvios, apesar de os relatórios não terem sido confirmados. “Nosso trabalho não é verificar informações”, afirmou Harff. “Nosso trabalho, como já disse, é acelerar a circulação de informações favoráveis ao nosso lado. (…) Nós não somos pagos para sermos morais.” Os comentários de Harff pareciam ser evidências de que os sérvios haviam sido enquadrados – injustamente e sem evidências – por cometer genocídio na Bósnia.

O livro de Merlino encontrou audiência imediata entre os sérvios e seus apoiadores que estavam tentando impedir a intervenção militar dos EUA no conflito. Finalmente, havia uma prova do que eles estavam tentando dizer ao mundo – que as notícias sobre sérvios matando muçulmanos em uma onda de atrocidades unilaterais não se baseava na realidade, mas em uma campanha manipulativa de uma empresa de relações públicas que agora admitia seu papel. Trechos do capítulo de Merlino sobre Harff foram publicados na mídia pró-sérvia e chegaram a resultar em um punhado de artigos de opinião nas principais publicações americanas e europeias.

As teorias da conspiração geralmente têm elementos da verdade sobre os quais lançam suas grandes mentiras. O que era verdade no livro de Merlino, e no que foi atribuído a Harff, é que os primeiros relatos de campos de concentração sérvios, em dois relatórios em julho e agosto de 1992 por Roy Gutman, do Newsday, não foram confirmados. Gutman conversou com trabalhadores humanitários e dois sobreviventes dos campos, mas não os havia visitado e não tinha muitos testemunhos em primeira mão. Portanto, a Ruder Finn de fato divulgou relatórios não confirmados.

Mas a teoria da conspiração de Merlino ignora um fato crucial: dias e semanas após os artigos de Gutman, as subsequentes reportagens de outros jornalistas confirmaram seu trabalho, assim como os julgamentos por crimes de guerra que ocorreram anos depois. Gutman ganhou um prêmio Pulitzer por seus artigos no ano seguinte.

Praticamente todos os principais jornais, revistas e emissoras dos Estados Unidos ficaram cheios de reportagens a partir do início de agosto daquele ano. Eles foram exagerados? Como repórter do Washington Post, fui para Banja Luka e visitei dois campos: Omarska e Trnopolje. Eles haviam sido limpados – Trnopolje tinha até uma faixa em inglês na entrada que dizia “Centro de Recepção Aberto de Trnopolje” -, mas continuavam horríveis. Aqui está o que escrevi pouco tempo depois:

“Nunca pensei que um dia falaria com um esqueleto. Foi o que fiz em Trnopolje. Lembro-me de pensar que eles andavam surpreendentemente bem para pessoas sem músculo ou carne… Um prisioneiro esquelético teve tempo suficiente para desabotoar a camisa, exibindo o peito mutilado com algumas dezenas de cicatrizes frescas de sabe-se lá que tortura, antes que um olhar de horror lhe estampasse o rosto. Ele olhava, como um cervo preso nos faróis de um carro, para um ponto logo acima do topo da minha cabeça. Olhei em torno. Um guarda estava atrás de mim.

Um jovem de 18 anos veio até nós. Acabara de chegar a Trnopolje depois de dois meses em Omarska, o pior campo de todos. Sua pele estava esticada como um lenço transparente sobre as costelas e os ombros. “Foi horrível”, ele sussurrou. “Apenas olhe para mim. Para os espancamentos, os guardas usavam mãos, barras, chicotes, cintos, correntes, qualquer coisa. Uma pessoa normal não pode imaginar os métodos que eles usaram. Lamento dizer que foi bom quando novos prisioneiros chegaram. Os guardas batiam neles ao invés de nós.”

Vista externa do campo de detenção de Trnopolje, perto de Banja Luka, na Bósnia-Herzegovina, em 9 de agosto de 1992.

Vista externa do campo de detenção de Trnopolje, perto de Banja Luka, na Bósnia-Herzegovina, em 9 de agosto de 1992.

Foto: Srdjan Sulja/AP

E Trnopolje era o melhor campo. Foi para onde homens e mulheres liberados de Omarska foram enviados e foi para onde alguns refugiados foram voluntariamente porque ficar em suas casas era ainda mais perigoso, devido às milícias sérvias matando e saqueando tudo em seu caminho pela região. Omarska era pura maldade, mesmo em condições melhoradas, e essa não era uma ficção sonhada por James Harff em Washington, DC. Levado a um refeitório onde os prisioneiros haviam entrado, o clima de medo era avassalador quando tentei falar com eles.

“Eles inclinaram a cabeça para baixo, o nariz praticamente dentro das tigelas”, escrevi na época. “Era um lugar onde palavras, quaisquer palavras, podiam matá-los. ‘Por favor, não me faça perguntas’, implorou um deles em um sussurro. Um prisioneiro nos enviou um bilhete. ‘Cerca de 500 pessoas foram mortas aqui com paus, martelos e facas’, afirmou. ‘Até 6 de agosto, havia 2500 pessoas. Estávamos dormindo no chão de concreto, comendo apenas uma vez por dia, às pressas, e éramos espancados enquanto comíamos. Nós estamos aqui há 75 dias. Por favor, nos ajude.’”

Era tão ruim assim? Em 1997, os dois comandantes sérvios responsáveis por esses campos foram indiciados pelo Tribunal Penal Internacional da antiga Iugoslávia. Um deles, Simo Drljaca, foi morto quando as tropas da OTAN tentaram prendê-lo. Drljaca havia levado eu e os outros jornalistas para Omarska e Trnopolje. O outro comandante, Milan Kovacevic, com quem havíamos discutido para obter permissão para visitar os campos infernais, foi levado para Haia, mas morreu de causas naturais durante seu julgamento por genocídio e crimes contra a humanidade.

Quando o livro de Merlino foi lançado, a Ruder Finn fez o possível para corrigir suas falácias e erros, me disse Harff em entrevista por telefone no mês passado. Mensagens por fax foram enviadas a Merlino – uma delas, que Harff me enviou por e-mail, tinha a linha de assunto “Citações erradas, imprecisões, cinismo” – e cartas legais foram enviadas aos meios de comunicação que citavam o livro de Merlino. Nada foi corrigido ou retratado (Merlino me disse que não recebeu nenhum fax da Ruder Finn), mas à medida que a guerra prosseguiu, o livro de Merlino não parecia importar tanto porque as evidências de atrocidades sérvias se tornaram esmagadoramente reais.

No verão de 1995, o ataque culminou com um massacre de mais de 7 mil homens e meninos muçulmanos em Srebrenica – um novo ato de genocídio que finalmente desencadeou a intervenção militar contra os sérvios pelos EUA e seus aliados da OTAN. Mais tarde, o tribunal de crimes de guerra em Haia indiciou importantes políticos sérvios – não apenas Slobodan Milosevic, mas também o líder sérvio bósnio Radovan Karadzic e seu comandante militar, Ratko Mladic. A morte de Milosevic poupou-lhe um veredicto, mas Karadzic e Mladic foram considerados culpados de genocídio e sentenciados à prisão perpétua. A evidência era irrefutável.

Ainda assim, o livro de Merlino teve uma sobrevida surpreendente. Um quarto de século depois, ele ajudou a entregar o Prêmio Nobel a Peter Handke.

Parentes bósnios das vítimas de Srebrenica se reúnem para protestar contra o vencedor do Nobel de Literatura de 2019 Peter Handke em frente à Embaixada da Suécia em Sarajevo, na Bósnia, em 5 de novembro de 2019.

Parentes bósnios das vítimas de Srebrenica se reúnem para protestar contra o vencedor do Nobel de Literatura de 2019 Peter Handke em frente à Embaixada da Suécia em Sarajevo, na Bósnia, em 5 de novembro de 2019.

Foto: Samir Yordamovic/Anadolu Agency via Getty Images

A teoria da conspiração sobre a Ruder Finn é tenaz nas páginas iniciais do extremismo à esquerda e à direita, mas permanece obscura em outros lugares. Apesar de ter coberto a guerra e ter escrito um livro sobre isso, eu não tinha ouvido falar da Ruder Finn até entrar em contato com Kurt Gritsch no mês passado.

Entrei em contato com ele porque Eric Runesson, o jurado do Nobel, mencionara o livro de Gritsch como o que parecia ser sua principal fonte para decidir, antes de conceder o Nobel a Handke, que as críticas a ele estavam erradas. “Kurt Gritsch, a meu ver, chega à conclusão de que as críticas não são inteiramente factuais”, disse Runesson ao jornal sueco Dagens Nyheter no mês passado. Enviei um e-mail a Gritsch para perguntar se ele poderia ter uma tradução não oficial de seu livro para o inglês porque não sei ler alemão. Gritsch disse que não havia tradução, mas ele forneceu uma explicação de quase 2 mil palavras de sua pesquisa. Ele escreveu que “Belgrado e os sérvios da Bósnia desempenharam um papel importante – e provavelmente o mais importante – em muitos aspectos do conflito”, mas também citou a milícia croata da Bósnia e o que descreveu como “a milícia bósnia-muçulmana” –que é uma maneira provocativa de se referir ao Exército da Bósnia, a única força militar no país que possuía uma posição legal.

Ele defendeu Handke juntando vários temas desmentidos que giravam em torno da Ruder Finn. Um deles envolvia uma declaração controversa emitida pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha em 1992, em resposta aos artigos de Gutman sobre os campos sérvios. O CICV, tentando permanecer um árbitro neutro, sugeriu falsamente que todos os combatentes tivessem campos de prisioneiros de igual brutalidade. A declaração foi refutada pelo fluxo de notícias subsequentes, investigações e julgamentos de crimes de guerra, mas os teóricos da conspiração citam isso como prova de que os abusos nos campos de prisioneiros na Bósnia eram aproximadamente equivalentes em todos os lados. Os conspiradores escolhem um dado prestes a ser desacreditado e ignoram tudo que o desacreditou posteriormente.

A seguir, o que Gritsch escreveu em seu e-mail, com a gramática corrigida conforme solicitado por ele (“Você pode citar isso, mas … por favor, corrija a gramática, vocabulário e ortografia quando necessário”):

“A razão para tudo isso pode ser encontrada em uma campanha de relações públicas de 1992. Em agosto de 1992, a Ruder Finn Global Public Affairs estava trabalhando para os governos croata e bósnio-muçulmano. Eles publicaram que campos haviam sido encontrados na Bósnia e que sérvios os administravam. Os fatos foram, como o CICV (a Cruz Vermelha) deu provas no mesmo mês, de que todas as três partes do conflito na Bósnia – croatas, muçulmanos e sérvios – estavam administrando campos de prisioneiros. O CICV foi muito claro sobre isso e ficou muito preocupado com as terríveis condições desses campos, onde violações de direitos humanos aconteciam todos os dias, até estupros e assassinatos. O CICV confirmou que havia muitos campos administrados pela Sérvia, mas … explicou que isso estava dentro da proporção das partes no conflito – a milícia sérvia era o maior grupo da época e administrava a maioria dos campos. No entanto, os outros dois grupos também tinham seus campos de detenção.

Mas ignorar isso não foi a única coisa que a Ruder Finn Global Public Affairs fez. Eles tornaram tudo ainda maior ao declarar que campos de detenção eram campos de extermínio e ao comparar os muçulmanos bósnios aos judeus. Isso foi possível com a ajuda de três grandes organizações judaicas americanas que apoiaram publicamente os muçulmanos da Bósnia (ignorando o fato de que seu líder, Alija Izetbegovic, tinha suas próprias ideias de um Estado islâmico, publicadas em livro muitos anos antes). O próximo passo foi combinar os autores, e lá estava: se os muçulmanos da Bósnia eram os judeus do nosso tempo, os sérvios tinham que ser os nazistas.”

Assim como ele faz em seu livro, Gritsch repetiu outra teoria desacreditada que vem de um artigo de 1997, há muito desmentido, de um jornalista freelancer alemão, Thomas Deichmann. Entre os teóricos da conspiração, o trabalho de Deichmann é frequentemente citado ao lado de Merlino; são partes fundamentais do cânone extremista que tenta reescrever o que aconteceu na Bósnia. E, no que pode ser uma das reviravoltas mais reveladoras e menos notáveis de toda a controvérsia de Handke, Deichmann foi um dos companheiros de viagem mais próximos de Handke nos Bálcãs – eles fizeram pelo menos quatro visitas à Sérvia e Bósnia nas décadas de 1990 e 2000. Embora suas viagens conjuntas sejam pouco conhecidas, não são um segredo; elas foram mencionadas em vários livros e sites.

Deichmann apareceu pela primeira vez em público quando atuou como testemunha de defesa no julgamento de 1996 de um sérvio chamado Dusko Tadic, acusado de cometer crimes de guerra em Omarska e em outros lugares. Deichmann, testemunhando como especialista em mídia, disse que os muçulmanos da Bósnia que identificaram Tadic no tribunal poderiam tê-lo conhecido apenas por meio de fotos ou reportagens de TV sobre ele. Deichmann estava sugerindo que a identificação de Tadic era uma mentira ou um caso de identidade equivocada. Não foi um argumento persuasivo: Tadic foi condenado por crimes contra a humanidade e sentenciado a 20 anos de prisão.

Em um ano, Deichmann estava de volta aos holofotes, escrevendo um longo artigo intitulado “A imagem que enganou o mundo”. Seu artigo foi publicado por uma revista de extrema esquerda chamada LM, que anteriormente se chamava Living Marxism, e lançada uma década antes pelo Partido Comunista Revolucionário da Grã-Bretanha. Deichmann escreveu que uma equipe de televisão britânica da ITN, a primeira a visitar Trnopolje, tinha feito de propósito uma cena em que os detidos estavam atrás de uma cerca coberta de arame farpado, para exagerar as condições ali. O artigo de Deichmann se transformou em um complemento perfeito para o livro de Merlino publicado alguns anos antes – não era apenas uma empresa de publicidade dos EUA que tentava difamar os sérvios, mas os jornalistas no campo também estavam criando ficções.

Os jornalistas que foram acusados por Deichmann o processaram por difamação em um tribunal de Londres e ganharam danos de 375 mil libras. Isso tirou a LM de circulação – mas não o artigo de Deichmann. Como a teoria de Merlino, ele foi mantido vivo por livros e publicações revisionistas no Stormfront e outros sites da extrema direita e esquerda. Como observou o historiador da fotografia David Campbell em um estudo minucioso, o artigo de Deichmann era “parte de um argumento geral que tenta revisar o entendimento da guerra da Bósnia, negando a natureza, extensão e objetivo da violência na estratégia de limpeza étnica dos sérvios da Bósnia.” Campbell acrescentou: “O que importa para a LM e outros é a maneira como essa disputa permite cortar o elo potencial entre a Bósnia e o Holocausto, diminuir o significado da guerra na Bósnia e negar a responsabilidade daqueles que perpetraram as campanhas de limpeza étnica.”

Gritsch trata o artigo de Deichmann como fato em seu livro e no e-mail que me enviou. “Quando mais tarde Penny Marshall e a ITN filmaram um campo de refugiados em Trnopolje e colocaram a equipe de filmagem atrás do arame farpado, a fim de parecer que as pessoas estavam presas, o mundo inteiro a interpretou como evidência de ‘novos campos nazistas’ na Europa”, escreveu Gritsch. “A imagem, como você certamente sabe, foi analisada mais tarde (em 1996/97) e o jornalista alemão Thomas Deichmann descobriu que era uma construção (‘A imagem que enganou o mundo’).” O livro de Gritsch tem pelo menos 30 referências a Deichmann, incluindo passagens sobre o trabalho de Deichmann que variam em tom, entre neutro e favorável.  Em uma reviravolta interessante, a foto de capa do livro de Gritsch, que mostra Handke olhando um corpo de água ao longo da costa montenegrina, foi tirada por Deichmann.

Fiquei surpreso ao ouvir essas ideias desacreditadas vindas do autor de um livro que aparentemente era um fator crucial nas deliberações do júri do Prêmio Nobel. Mas o e-mail de Gritsch era consistente não apenas com seu livro, mas com artigos que ele escreveu, incluindo um de alguns meses atrás na revista online Telepolis, onde descreveu os esforços da Ruder Finn como “determinantes do discurso” –  referindo-se especificamente, em nota de rodapé, ao trabalho de Merlino. Como Gritsch escreveu em seu livro de 2009 sobre Handke, “o relatório de Jacques Merlino sobre o trabalho da agência de relações públicas norte-americana Ruder Finn coloca com urgência a questão de saber em que medida a representação oficial da perspectiva croata ou muçulmana pode ser acreditada.”

Quando entrei em contato com Gritsch para comentar essa história, ele respondeu educadamente em outro e-mail com cerca de 2 mil palavras que traziam novamente as linhas gerais de seu livro. Sua resposta incluiu estas falas: “A ciência e a busca da verdade não é algo fácil. … Não pretendo saber a verdade sobre as guerras iugoslavas ou o debate sobre Peter Handke, mas qualquer pessoa disposta a mergulhar nos debates e discursos pode identificar a narrativa principal e a contra-narrativa. E isso já pode ajudar a entender um pouco melhor todo o debate.”

Membros do Comitê Nobel de Literatura, da esquerda, Presidente Anders Olsson, Per Wästberg, Rebecka Karde, Mikaela Blomqvist e Henrik Petersen anunciam os vencedores do Prêmio Nobel de Literatura de 2018 e 2019 na Academia Sueca de Estocolmo, na Suécia, em 10 de outubro de 2019.

Membros do Comitê Nobel de Literatura, da esquerda, Presidente Anders Olsson, Per Wästberg, Rebecka Karde, Mikaela Blomqvist e Henrik Petersen anunciam os vencedores do Prêmio Nobel de Literatura de 2018 e 2019 na Academia Sueca de Estocolmo, na Suécia, em 10 de outubro de 2019.

Foto: Karin Wesslen/TT News Agency/AFP via Getty Images

Pelo testamento de Alfred Nobel, a Academia Sueca é encarregada de selecionar o vencedor do Prêmio Nobel de Literatura. O processo de duas etapas foi alterado este ano devido a um escândalo de abuso sexual em 2017 que minou a confiança nas habilidades da academia. Este ano, cinco especialistas externos se juntaram ao subcomitê de quatro membros da academia que escolhe uma lista de finalistas. A decisão final é tomada pelo grupo de 18 membros. Este ano, o subcomitê nomeou apenas uma pessoa para o prêmio de 2019 – Peter Handke – e a academia completa o aceitou.

Eric Runesson, que disse confiar na absolvição de Handke elaborada por Gritsch, é membro da academia. Henrik Petersen, um crítico literário, foi um dos especialistas externos do subcomitê. Em artigo de 17 de outubro, Petersen defendeu a seleção de Handke dizendo que “um programa político não é propagado” em seu trabalho, embora ele reconhecesse que “a maneira na qual Handke articulava sua crítica era precária, desajeitada e às vezes levava a comparações absolutamente absurdas.” Aparentemente, a falta de jeito era um fator pouco importante para Petersen e outros jurados.

Petersen escreveu que, em 50 anos, Handke seria considerado “um dos laureados mais óbvios já premiados pela Academia Sueca” e sugeriu que “se você gostaria de saber mais sobre o que Handke realmente disse sobre a Iugoslávia, recomendo os comentários de Lothar Struck em ‘The One With His Yugoslavia’.”

O livro de Struck parece ter recebido relativamente pouca atenção nos círculos literários desde que foi publicado há cerca de sete anos. Seu livro é mais cuidadoso que o de Gritsch e não se aprofunda tanto em outras teorias da conspiração. Struck tem algumas menções passageiras a Thomas Deichmann e sua história desacreditada sobre o campo de Trnopolje, mas ele não se aprofunda da mesma maneira que Gritsch o faz. No entanto, o livro de Struck abraça a teoria geral de que os sérvios foram injustamente transformados no principal culpado da guerra na Bósnia por uma campanha publicitária manipuladora, e não por suas próprias ações.

“A opinião sobre as facções em guerra foi parcialmente determinada, desde o início, por agências profissionais de relações públicas”, escreveu Struck. Como evidência, ele apontou para o que descreveu como a entrevista “quase lendária” que Merlino, o jornalista francês, havia realizado em 1993 com James Harff, da Ruder Finn. Esta é, obviamente, a mesma entrevista e a mesma teoria da conspiração sobre a qual Gritsch escreveu extensivamente. Struck continua citando uma passagem da entrevista de Harff que Merlino publicou. “Para os padrões da indústria, a campanha de Harff foi certamente uma excelente manobra”, escreveu Struck. “Acima de tudo, era sustentável, já que a partir de então os sérvios não eram simplesmente os agressores, mas poderiam ser classificados como assassinos genocidas.”

O livro de Struck tinha um longo suplemento digital, com quase 600 páginas, que ele descreveu como seu “volume de material de origem”. Cerca de um terço dele consiste em documentos de divulgação que a Ruder Finn apresentou ao governo dos EUA nos anos 90, listando seus contatos com jornalistas e políticos, entre outras coisas. O interesse de Struck pela influência da Ruder Finn não desapareceu desde que seu livro foi publicado. Depois que o Prêmio Nobel foi anunciado, Struck postou uma longa defesa de Handke na revista literária em que ele contribui, Glanz & Elend (“Esplendor & Miséria”). Argumentando que Handke foi manchado por uma campanha enganosa de publicidade contra os sérvios e seus apoiadores, ele escreveu que a Ruder Finn e outras empresas que representavam croatas e kosovares desde a década de 1990 “têm trabalhado com o público dos EUA e fizeram um bom trabalho, seu veneno ainda está lá, está sendo pego por comentaristas e injetado no mundo sem verificação.”

Aqui está o que mais me choca nesse desastre no Prêmio Nobel. Não é que os jurados do Nobel tenham se apaixonado por teorias da conspiração. Isso já é terrível o suficiente, é claro. O pior é que a elevação de Peter Handke também levantou dos quase mortos uma reescrita desacreditada da história e do genocídio. Estamos voltando no tempo.

The post Peter Handke ganhou o prêmio Nobel após dois jurados caírem em teoria da conspiração sobre a guerra na Bósnia appeared first on The Intercept.

Pages